Moscou, 09 (AE-AP) - As especulações sobre o envolvimento do Kremlin no sumiço do jornalista russo Andrei Babitski, da Radio Liberty, esmoreceram hoje (09) depois que a emissora privada de televisão local NTV mostrou imagens de vídeo dele.
As cenas foram filmadas após sua troca pelos militares russos, no dia 5, por cinco soldados que haviam sido capturados por rebeldes na Chechênia. Babitski abre o depoimento dizendo a data em que está sendo filmado: 6 de fevereiro. Hoje, também, um assessor do presidente da República da Chechênia, Aslan Maskhadov, confirmou que o jornalista se encontra em território sob controle das forças chechenas.
Na segunda-feira Maskhadov negara que Babitski estivesse em mãos dos rebeldes, o que levantou suspeitas de que ele houvesse sido morto pelo setor de segurança russo, cuja cúpula se irritou com suas reportagens nas áreas controladas pelos separatistas.
O vídeo foi deixado por um homem, que não se identificou, na sucursal moscovita da emissora britânica de televisão BBC e depois repassado à NTV. O presidente interino russo, Vladimir Putin - principal candidato à eleições presidenciais de 26 de março -, vinha sendo alvo de duras críticas da imprensa, grupos humanitários internacionais e até mesmo de aliados por causa da estranha troca de um cidadão russo por outros cinco.
O fato de Babitski ter sido entregue aos rebeldes - contra os quais o país está em guerra - e depois disso não ter dado notícias a parentes e colegas de trabalho fez surgirem suspeitas de que os militares houvessem simulado a troca.
O Exército russo o prendeu quando tentava sair de Grozny, alegando que não possuía as credenciais adequadas para estar na zona de guerra e, além disso, estivera em contato com os separatistas. Na semana passada, as forças de segurança divulgaram um vídeo no qual ele aparecia dirigindo-se a um homem mascarado. Os agentes russos disseram que era a cena de sua troca, no dia 5, pelos soldados capturados.