/VATICANO/BRASIL/BRATIFICACAO5/Mar, 18:13 João Paulo II beatifica os primeiros mártires brasileiros Por Assimina Vlahou, especial para a AE Roma, 5 (AE) - Exibindo boa forma e voz firme, o papa João Paulo II chegou a cantarolar hoje(5) durante a cerimônia de beatificação dos primeiros mártires brasileiros. Não resistiu ao coro festivo e colorido de quase 700 fiéis que vieram de diferentes partes do Brasil para assistir à solenidade na Praça de São Pedro e respondeu ao refrão da canção A Benção João de Deus. "Hoje é dia de Ação de Graças, pois foram elevados às honras dos altares os Protomártires do Brasil", disse o papa durante o Angelus - a tradicional benção dominical. Na homilia, pronunciada em várias línguas, o pontífice recordou os 500 anos do descobrimento do Brasil e definiu a importância dos protomártires como "primícias do trabalho missionário" . Citou o caso de Mateus Moreira, cujo coração foi arrancado pelas costas, e recomendou que o sacrifício deles sirva de exemplo. "O sangue de católicos indefesos, muitos deles anônimos, crianças, velhos e famílias inteiras, servirá de estímulo para fortalecer a fé das novas gerações de brasileiros, sobretudo o valor da família, formadora da fé e geradora de valores morais", disse o papa. No total, cerca de 25 mil pessoas se concentraram na Praça de São Pedro, iluminada pelo Sol quase primaveril. Além dos protomártires do Brasil, também foram beatificados outros 14 cristãos, de quatro países diferentes - Filipinas, Vietnã, Bielo-Rússia e Tailândia. No total foram 44 beatos, todos mártires. "A Igreja sempre deu uma atenção especial aos mártires porque são testemunhas extremas do amor do cristão a Deus e à fé", disse ao Estado o arcebispo de São Paulo, d. Cláudio Hummes. Joao Paulo II contribuiu de forma significativa para a proclamação dos mártires da Igreja Católica. Durante 21 anos de pontificado fez 1279 entre santos e beatos. Desse total, 911 são mártires. A cerimônia de hoje foi concelebrada por sete brasileiros, entre eles o cardeal-arcebispo do Rio de Janeiro, d. Eugênio de Araújo Sales, natural do Rio Grande do Norte, e seu irmão, o arcebispo de Natal, d. Heitor de Araújo Sales. Também estava presente d. Jayme Chemello, presidente da CNBB. O arcebispo de Natal iniciou a cerimônia, representando os cinco países. Ele fez o pedido formal de beatificação ao papa em latim, a língua oficial da Igreja. O pontífice respondeu com a fórmula de beatificação. Na mesma ocasião ele instituiu o dia 3 de outubro como data oficial de culto dos novos beatos no calendário litúrgico da Igreja. Os brasileiros presentearam o pontífice com uma medalha de ouro, com a imagem dos mártires do Rio Grande. À tarde assistiram a um concerto do Canto Coral do Povo, grupo de Natal que também foi a Roma participar da celebração. Amanhã os brasileiros devem ser recebidos por João Paulo II.