Valor do teto "afronta princípio da moralidade pública", diz presidente da AMB3/Mar, 12:08 Por Fredy Krause Brasília, 3 (AE) - Em nota há pouco divulgada, o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), desembargador Antônio Carlos Viana, afirma que o valor do teto salarial aprovado ontem pelos presidentes dos Três Poderes "afronta o princípio constitucional da moralidade pública, porque privilegia os salários dos deputados e senadores, com a elevação de R$ 8.000,00 para R$ 11.500,00, mantidas as vantagens. Pior: virá em forma de cascata, uma vez que os próximos beneficiados serão os deputados estaduais e vereadores". O presidente da AMB afirma, ainda, que "a magistratura não aceita a irredutibilidade dos salários". O teto é de R$ 12.720,00, e não de R$ 23.000,00, conforme proposta do presidente do Senado, Antônio Carlos Magalhães". Ainda na nota, o desembargador Antônio Carlos Viana afirma que, "mais uma vez, a magistratura brasileira lamenta a falta de pulso do presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. Não fosse a sua constante indecisão, a fixação do teto estaria resolvida desde dezembro de 1998, no valor de R$ 12.720 00, como acertado na época, em reunião realizada no Palácio da Alvorada".