Vai-Vai encerra festa paulista com ironia2/Mar, 13:53 Por Fabiana Gitsio São Paulo, 02 (AE) - Sábado a folia no sambódromo começa com a Morro da Casa Verde, alçada ao Grupo Especial após ser vice-campeã do Grupo 1, no ano passado. A escola tem 37 anos e só havia feito uma breve passagem como especial na década de 70. "Voltamos para o lugar que é nosso por direito", diz o carnavalesco Nilson Lourenço. As 3 mil pessoas que vão participar do desfile são todas da comunidade. "Não é justo tirar delas o sonho de ser príncipes e princesas do carnaval e colocar artistas." A segunda da noite é a Unidos do Peruche. Em sua estréia em São Paulo, o carnavalesco Fábio Borges (ex-Mangueira e Salgueiro) está fascinado com a limpeza visual do sambódromo paulistano. "Não tem nenhum elemento estranho interferindo na estética do carnaval." A Imperador do Ipiranga vai falar da Velha República: do baile da Ilha Fiscal à eleição de Getúlio Vargas. "Não vou fazer uma análise crítica e sim reproduzir a história da forma que é ensinada na escola", afirma o carnavalesco Pedro Luís Pinotti. Prova disso, destaca, são as esculturas realistas. "Quando aparecer o rosto de Getúlio, ninguém vai perguntar quem é." Já a Nenê de Vila Matilde retrata o governo Getúlio Vargas. Entre os destaques da escola estão figuras da velha guarda, como seu Nenê, e o elenco do humorístico de TV "Sai de Baixo", na ala arlequim. "Temos a melhor bateria, o melhor enredo, o melhor tudo", afirma Alberto Alves da Silva, o seu Nenê. A Rosas de Ouro, do carnavalesco Raul Diniz, vai enfocar o período da Segunda República. Entre seus trunfos, gente que brilhou no mundo dos esportes de 1945 a 1964, como o lutador de boxe Éder Jofre, o atleta Ademar Ferreira da Silva e os ídolos do futebol Gilmar e Bellini. A Acadêmicos do Tucuruvi promete um desfile "grandioso". A escola importou experts do Rio: Mestre Jorjão (ex-Viradouro e Mocidade Independente) para a bateria; o puxador Preto Jóia (da campeã 99 do Rio, Imperatriz Leopoldinense) e o casal de mestre-sala e porta-bandeira Paula e Dionísio (ex-Salgueiro). "Nossas cinco primeiras alas vão 'escandalizar' o Anhembi", garante o carnavalesco Jeronymo Guimarães, que veio do Rio já no ano passado e conquistou o quinto lugar. "Vamos ficar entre as três primeiras colocadas." A Vai-Vai, uma das campeãs de 1999, não deixa por menos. "Será um desfile para ganhar o carnaval, com momentos de luxo e originalidade", diz o carnavalesco Flávio Castanhola Tavares. Os primeiros carros ironizam os governos de José Sarney - as donas de casa, que bancaram "fiscais", não foram esquecidas - e de Fernando Collor.