Cheios de vontade de trabalhar, cinco alunos que participam do projeto de extensão da Unopar ''Instalações Elétricas Residenciais'', acordaram cedo no sábado para readequar as instalações elétricas de uma residência no Jardim Campos Verde (Zona Oeste).
A aula prática foi comandada pelos professores Robledo Carazzai, Valdemir Antunes e Carlos Henrique Gorges Vice, coordenadores do projeto, que já atendeu mais de 70 alunos em apenas três semestres. ''O curso é gratuito, voltado para estudantes da universidade dos cursos das engenharias Elétrica e da Computação e de Jornalismo (responsáveis pelas entrevistas de seleção) e também para pessoas da comunidade. Durante seis meses eles aprendem o básico sobre instalação elétrica residencial'', explica o professor Carlos Henrique.
O objetivo da ação é capacitar os universitários e aqueles que não podem pagar por um curso. E a ideia de levá-los a campo é dar uma oportunidade para que eles coloquem em prática tudo o que aprenderam em sala de aula, reforçando assim, a importância de se trabalhar com humanismo, atendendo também a comunidade. ''Este trabalho é um exemplo muito bacana que insere a cidadania e a responsabilidade social à formação técnica de nossos alunos'', comenta.
A dona de casa Cleuza Soares de Oliveira, de 42 anos, estava feliz com a iniciativa. Ela vive com o marido e o filho e conta somente com a renda de um salário mínimo. ''Eu não teria dinheiro para pagar isso. Estou achando ótimo porque eles vão deixar tudo arrumadinho'', diz.
Para fazer o melhor planejamento, os alunos visitaram a residência anteriormente e fizeram um estudo criterioso sobre a instalação elétrica existente. Os materiais utilizados foram doados pela Unopar.
O aluno Paulo Arade, de 58 anos, conta que sempre teve interesse em eletrônica e por isso, aprendeu muita coisa sozinho. Bancário aposentado, resolveu se aprofundar na área e por isso optou pelo curso. ''Antes eu só sabia instalar um chuveiro, mas agora já aprendi muita coisa'', conta ele, enquanto ajudava a instalar uma antena na casa de Cleuza.
E para quem imagina que o curso é voltado apenas para homens, se surpreende ao encontrar as amigas Janaína Primon Roberto, de 24 anos e Rosemary Ribeiro Nunes, 32, empenhadas em passar a fiação por toda a casa. ''Tenho o objetivo de aprender algo novo, uma nova profissão. E acho que hoje em dia, as mulheres são imbatíveis no mercado de trabalho. A mulher é mais atenciosa, detalhista e, portanto, tem mais cuidado ao realizar um trabalho'', defende Janaína.
Para Rosemary, as aulas também a ajudaram nos cuidados na própria casa. ''Agora já sei arrumar as tomadas e os serviços básicos de parte elétrica'', comenta ela, que adorou o desafio proposto pelo curso. ''Hoje estou conseguindo botar em prática o que aprendi nesses meses e também ajudar a quem precisa'', diz.
As inscrições para a comunidade serão abertas em março e os critérios para seleção incluem idade acima de 18 anos, não ter conhecimento na área, nem curso superior e ter uma renda familiar baixa.
Serviço: Mais informações pelo telefone (43) 3371-7418

Uma aula prática de cidadania
Uma aula prática de cidadania Uma aula prática de cidadania Uma aula prática de cidadania Uma aula prática de cidadania Uma aula prática de cidadania Uma aula prática de cidadania Uma aula prática de cidadania