Rundu, Namíbia, 04 (AE-AP) - Pistoleiros uniformizados atacaram um grupo de turistas franceses que viajava pela região de fronteira na Namíbia, para onde a guerra civil em Angola se alastrou nas últimas semanas. Segundo autoridades locais, pelo menos três pessoas - um rapaz de 18 anos e duas meninas de 15 e 10 anos - foram mortas e seus pais, feridos gravemente.
O veículo que levava os turistas foi um dos pelo menos quatro atacados ontem em uma remota estrada. De acordo com a polícia, os agressores primeiro abriram fogo contra um microônibus, depois contra os turistas e, por fim, atingiram dois carros que transportavam assistentes humanitários da organização dinamarquesa People to People.
A violência aconteceu na auto-estrada Trans-Caprivi, a cerca de 40 quilômetros a leste da cidade de Bagani e dentro do Parque Caprivi. Os feridos foram hospitalizados em Rundu, na fronteira entre Namíbia e Angola.
O delegado do distrito de Rundu, Andries van der Byl, disse que os motoristas dos dois carros dinamarqueses ficaram feridos. Os demais veículos foram saqueados. Ele atribuiu o ataque aos rebeldes da Unita (União Nacional pela Independência Total de Angola), mas o grupo rebelde negou seu envolvimento no massacre.
A embaixada francesa informou que os feridos serão transferidos para a capital da Namíbia, Windhoek, assim que suas condições melhorarem.
No mês passado, com a cooperação da Namíbia, as forças angolanas lançaram uma ofensiva contra os rebeldes da Unita ao longo da fronteira e nos arredores do Parque Caprivi.