Agência Estado
Do Rio
Pelo menos 6 mil turistas estavam previstos para acompanhar a chegada do ano 2000 em Copacabana, mas bem distantes da multidão que ocuparia a areia da praia do bairro. Embarcados em dez transatlânticos, eles se programaram para acompanhar a queima de fogos ao longo da costa.
O maior dos navios, o americano Crystal Harmony, com mil passageiros, obteve permissão para ficar a cinco quilômetros de distância da praia. O transatlântico foi uma das quatro embarcações que chegaram ao Rio, ontem pela manhã.
Participar da festa longe de tumultos e possíveis assaltos foi o grande atrativo para a maioria dos turistas. O americano Low Shapiro, de 56 anos, disse que adoraria participar da festa na areia, mas confessou que sente medo. ‘‘Quando disse que viria para o Rio, me chamaram de louco porque o que mais nos dizem sobre a cidade é que é violenta, com muitos assaltos’’, contou ele, que é passageiro do Crystal Harmony.
Nos quatro transatlânticos que chegaram ontem de manhã estavam embarcados 3.050 turistas. A maioria saiu em ônibus de excursão para um rápido passeio pela cidade com direito a parada em um shopping center na zona sul. Por volta das 15 horas, as embarcações começaram a zarpar rumo a Copacabana, onde passariam toda a noite. A volta para o cais estava prevista para as 6 horas de hoje. Os outros transatlânticos são os alemães Astor, Berlin e Delphin. Exceto pelo Berlin, todos estavam lotados com 850 passageiros cada um, enquanto o Berlin, com capacidade para 500 pessoas, chegou com 350 a bordo.
A diária do Crystal é de US$ 1.500 enquanto dos outros é de US$ 1.000. O transatlântico americano chegou ao Rio vindo de Buenos Aires, na Argentina, e hoje segue para o nordeste brasileiro e Caribe. Os outros vieram do nordeste e seguem, hoje, para Buenos Aires. Até o final do dia de ontem, mais seis transatlânticos chegariam à cidade e iriam direto para a praia de Copacabana.