São Paulo, 01 (AE) - O desembargador Borelli Machado, do Tribunal de Justiça de São Paulo, negou hoje liminar requerida pelo vereador Paulo Carvalho (PL) para reassumir o cargo de presidente da Câmara Municipal de Guarulhos, na Grande São Paulo. Ele está afastado do cargo por decisão do juiz Régis Barbosa, da 6ª Vara Cível de Guarulhos, sob acusação de improbidade administrativa.
Em sua decisão, Machado ressalta que "os aspectos de direito estão relacionados com situações fáticas", ligadas à pessoa de Paulo Carvalho. "Situações estas que, por serem várias e complexas, estão a exigir apreciação mais aprofundada". Paulo Carvalho foi afastado do cargo junto com quatro outros vereadores, Fausto Martello (PPB), Wanderley Figueiredo (PL), Osvaldo Celeste e Waldomiro Ramos, ambos do PTB.
Eles são acusados pelo Ministério Público de exigir propina dos fornecedores da Câmara para pagar os contratos com a Casa. Além dos vereadores foram afastados os assessores José Carlos Patrão, Antônio Carlos Simões, o "Nenê", Luiz Pontes e Dionísio Marcial Fernandes, acusados de pressionar os fornecedores por propina.