Telefónica passou a ser a maior em língua hispânica4/Mar, 18:15 Por Vladimir Goitia São Paulo, 4 (AE) - O estudo da Cepal mostra que a Telefónica passou a ser a maior empresa de telecomunicações de língua hispânica no mundo. "Depois de investir mais de US$ 10 bilhões na América Latina, principalmente na aquisição de companhias existentes, cerca de 31% dos ativos da Telefónica são estrangeiros e a empresa conta ainda com 49 milhões de clientes no Brasil, Argentina, Chile, Peru, Porto Rico e outros países da América Central", afirma a Cepal. De acordo com o estudo, a Telefónica espera investir US$ 20 bilhões na região nos próximos anos para consolidar a sua posição dominante no mundo de língua hispânica e portuguesa e para poder expandir-se em outros segmentos do mercado de telecomunicações. Para isso, a companhia dirigida pelo controvertido Juan Villalonga, fez alianças estratégicas com a MCI WorldCom, Portugal Telecom, Iberdrola e com o BBVA. O BSCH e o BBVA, produtos de fusões ocorridas na década de 90 na Espanha, também se encontram entre os mais importantes investidores na América Latina. Os dois bancos aplicaram mais de US$ 10 bilhões na região, e, além de ter um grande número de agências regionais com ativos que superam os US$ 20 bilhões e mais de 16 milhões de clientes, estão entre os líderes na administração de fundos de pensão privados do Continente. É bom lembrar, entretanto, que, no ano passado, o BSCH e o BBVA fizeram parte do ranking de bancos europeus com classificação de risco mais alta. A Endesa, a principal companhia energética da Espanha e a terceira do setor na Europa, investiu entre 1992 e 1998 mais de US$ 8 bilhões em 12 países e adquiriu grandes companhias em sete países latino-americanos. Hoje, de acordo com a Cepal, a energética espanhola conta com 25 milhões de clientes na região e 40% de seu lucro é gerado pelas energéticas latino-americanas na quais tem participação. A Iberdrola, por sua vez, investiu mais de US$ 2 bilhões em seis países e conta com cerca de 15 milhões de clientes na América Latina. Já a Repsol, hoje entre as dez maiores do mundo no setor de petróleo com a aquisição da YPF, por quase US$ 13 bilhões no ano passado, investiu US$ 19 bilhões na América Latina. A Repsol participou ainda em fusões e aquisições de empresas petroleiras e adquiriu concessões para a exploração de petróleo em outros oitos países latino-americanos. Devido aos ativos dessas empresas, a Repsol-YPF entrou na lista das 500 maiores companhias da "Fortune", passando do lugar número 257, em 1997, para o 224 em 1998.