|
  • Bitcoin 102.552
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 11/03/2022, 16:41

Suspensa licitação para ampliar rede de esgoto em Londrina e Cambé

Empresa alega ter sido indevidamente inabilitada para participar do certame devido à certidão positiva de registro no Crea

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 11 de março de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O Pleno do TCE-PR (Tribunal de Contas do Estado) suspendeu, por meio de medida cautelar, a licitação nº 298/2021, promovida pela Sanepar. O objetivo do certame é a contratação de empresa especializada para elaborar projeto básico hidráulico voltado à ampliação e melhoramento do sistema de esgotamento sanitário dos municípios de Londrina e Cambé, na Região Norte do Paraná.

O ato foi provocado por Representação da Lei nº 8.666/1993 (Lei de Licitações e Contratos) formulada por empresa que alega ter sido indevidamente inabilitada para participar do certame devido à apresentação de certidão positiva de registro no Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia), a qual apontou a existência de dívidas junto à entidade.

Para a peticionária, a estatal agiu de forma contrária à legislação aplicável e às jurisprudências do TCE-PR e do Tribunal de Contas da União (TCU) relativas ao assunto, as quais "coíbem a exigência de quitação de débito frente a conselhos de classe para fins de habilitação em procedimentos licitatórios".

DECISÃO

O relator do processo, conselheiro Durval Amaral, deu razão à representante. Para ele, a própria Constituição Federal é clara ao dispor, em seu artigo 37, inciso XXI, que as licitações devem prever apenas "as exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações". "Salvo melhor juízo, não se vislumbra como a quitação de débitos classistas pode influenciar na hígida execução do contrato decorrente dessa licitação", concluiu o conselheiro.

O despacho do relator, expedido em 4 de março, foi homologado de forma unânime pelos membros do órgão colegiado do TCE-PR na sessão ordinária nº 6/2022, realizada por videoconferência nesta quarta-feira (dia 9). Com a suspensão, foi aberto prazo de 15 dias para apresentação de defesa por parte dos representantes da Sanepar. Caso não seja revogada, os efeitos da medida cautelar perduram até que o Tribunal decida sobre o mérito do processo.

SANEPAR

A Sanepar está analisando o fundamento da medida para  uma tomada de decisão que será feita de acordo com o prazo processual.

 Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.