A crescente movimentação do segundo turno das campanhas eleitorais para eleger os prefeitos municipais parece ter contagiado o Poder Judiciário. No Tribunal de Justiça (TJ) os candidatos a ocupar os cargos de presidente, vice-presidente e corregedor geral para o biênio 2001/2003 aumentaram a intensidade dos trabalhos em busca de apoio para suas candidaturas.
A expectativa é que a movimentação continue em ritmo crescente. Isso porque a eleição para escolher os novos chefes do Poder Judiciário do estado está marcada para 15 de dezembro, o que deixa 60 dias para a realização das campanhas.
Até o momento três desembargadores já apresentaram seus nomes para a sucessão do presidente do TJ, Sydney Zappa: Oto Sponholz, Vicente Troiano Neto e Darcy Nasser de Mello. Desses, a candidatura mais identificada com a administração atual é a de Troiano Neto.
Assessores do TJ avaliam que essa proximidade tem o ponto positivo de dar à candidatura um bom número de simpatizantes entre os aliados de Zappa. Entretanto, esses mesmos assessores avaliam que o estilo ‘‘linha dura’’ adotado pelo presidente do TJ, que lhe rendeu alguns desafetos, pode representar dificuldades para Troiano Neto consolidar novos apoios.
A candidatura de Darcy Nasser de Mello tem como diferencial o fato dele ter sido o vice-presidente da gestão de Henrique Lenz César, antecessor de Zappa na presidência do TJ. Como ponto positivo, Nasser teria o bom trânsito entre os simpatizantes da sua gestão, vista como mais liberal que a atual. Em contrapartida, Nasser de Mello teria como maior obstáculo a enfrentar a polêmica em torno da nomeação de parentes de desembargadores para titulares de cartórios durante sua gestão, todas suspensas quando Zappa tomou posse.
Oto Sponholz tem a seu favor a capacidade de articulação. Nos bastidores do TJ ventila-se que em recente jantar que reuniu diversos desembargadores, Sponholz teria avançado as negociações para um dos seus concorrentes deixar a disputa para apoiá-lo. Em troca Sponholz retribuiria o apoio na próxima eleição.
Como dificuldade a enfrentar em sua candidatura, o ex-corregedor geral da TJ tem o fato de não pertencer ao quadro da magistratura, tendo ingressado na carreira pelo quinto constitucional. Isso poderia render-lhe alguma rejeição, já que apenas 6 dos 35 desembargadores pertencem ao quinto.
Outros cargos - Dois candidatos anunciaram a disposição de concorrer à vice-presidencia do TJ: o atual vice-presidente Acácio Cambi e o ex-presidente do TRE Altair Patitucci. Para a Corregedoria Geral de Justiça concorrem ao cargo Tadeu Loyola, Antonio Gomes da Silva, Clotário Portugal Neto e Antonio Lopes Noronha.