São Paulo, 07 (AE) - Na primeira blitz contra perueiros clandestinos depois da morte de três passageiros num acidente com lotação sexta-feira, a intenção da São Paulo Transporte (SPTrans) e Guarda Civil Metropolitana (GCM) era evitar conflitos. "Hoje é light", disse um fiscal, explicando o motivo da escolha de bairros como Vila Madalena e Alto de Pinheiros. Mesmo assim, houve a prisão de um perueiro e agressão a outro. Os dois recusaram-se a entregar seus veículos. Em Pinheiros, três carros da SPTrans foram apedrejados.
A fiscalização deixou a garagem da SPTrans às 7 horas. Escolheu as zonas oeste e norte para a vistoria. "Está mantida a recomendação de evitar perseguições", afirmou o inspetor Carlos Eduardo Vieira Padilha, ao comentar o episódio de sexta-feira. Apesar da disposição, houve confusão na Barra Funda
perto do terminal de ônibus, e na zona sul. Até o fim da manhã, 11 peruas foram apreendidas. À tarde, foram mais seis apreensões de veículos na zona sul.
China, motorista de um lotação que estava vazio no terminal, foi preso por desacato à autoridade pela manhã. "Não sei nem se ele é ou não é perueiro; mas nos desacatou", disse o inspetor. Também na Barra Funda, a fiscalização apreendeu duas peruas. Dentro dos veículos não havia passageiros, mas perueiros que iam com o colega até o local que libera a licença para uso de rádio. "Na hora me apavorei e pedi a todos para descer", reclamou o perueiro Roberto Pereira dos Santos.
O comboio seguiu para bairros onde as peruas não costumam circular, como Perdizes e Pacaembu. Só por volta do meio-dia o comboio partiu para áreas mais problemáticas, como a zona norte.
Na zona sul, Daniel Gonçalves Fontes recusou-se a entregar a chave de sua Kombi. Dizia que não era perueiro e só dava caronas a amigos. No veículo, havia três vales-transporte, o que levou os fiscais a concluir que ele fazia lotação. Os guardas cercaram a Kombi e forçaram Fontes a sair do carro. Os fiscais só observaram de longe enquanto os guardas o arrastaram pela rua. Um deles chutou as pernas de Fontes. O guarda negou a agressão. Fontes, com dor, foi levado para o Pronto-Socorro do Jabaquara.