Belo Horizonte, 10 (AE) - O número de mortos em razão das enchentes na primeira semana do ano, no sul de Minas Gerais, subiu hoje para 12, com a confirmação de mais duas vítimas, na cidade de Três Corações. Segundo a Coordenadoria de Defesa Civil Estadual, Maria de Lourdes Garcia Pereira, de 28 anos, e Marcelo Marques, de 31, se afogaram sexta-feira e sábado. As notificações das outras vítimas foram feitas entre 1º e 06 de janeiro.
O vice-governador de Minas, Newton Cardoso (PMDB), encarregado pelo governador Itamar Franco (sem partido) de conduzir os trabalhos de recuperação na área das enchentes, disse hoje, em Pouso Alegre, que o gasto com os mais de 50 municípios atingidos deve ser de "pelo menos R$ 30 milhões". Newton reuniu-se com 18 prefeitos da região, à tarde, e garantiu que, além dos recursos, o Estado "emprestará máquinas e doará material de construção para os municípios".
Apesar da estiagem, a Defesa Civil estimou em 18 mil o número de pessoas desabrigadas hoje no Sul de Minas. Nos dias mais críticos da enchente, o total de desabrigados superou 80 mil. Cidades como Careaçu e Cordislândia continuam parcialmente inundadas.
Estradas - O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) informou que a BR-381 (São Paulo-Belo Horizonte) também permanecia interditada, até o final da tarde. O desvio, de 70 quilômetros, era feito por Varginha e Machado. Outras estradas, como as BRs 460, em trecho próximo a Lambari, 267, perto de Poços de Caldas, e 354, entre Caxambu e Engenheiro Passos, também apresentavam problemas e tinham apenas meia pista funcionando, em razão de inudanções e deslizamentos.
A Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) calculou em R$ 500 milhões o prejuízo das empresas de toda a região Sul com a chuvas. O montante incluía perda de equipamentos, danos em instalações e interrupção da produção.