Brasília, 03 (AE) - O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal divulgou hoje nota repudiando as agressões cometida por soldados da Polícia do Exército (PE) contra os jornalistas Fernando Bizerra Júnior, do "Jornal do Brasil", Edivaldo Ferreira e José Paulo Lacerda, do Grupo Estado, Rosa Costa, do jornal "O Estado de S. Paulo", e Sheila Chagas, fotógrafa free- lancer da Editora Abril, durante a cobertura da festa de ano-novo, no Forte Copacabana, Rio, onde estava o presidente Fernando Henrique Cardoso.
"A truculência dos soldados da Polícia do Exército é inaceitável e fere os princípios constitucionais de liberdade e respeito ao ser humano", diz a nota, ressaltando que Bizerra Júnior teria sido espancado e ameaçado de morte "apenas porque ele estava registrando a queda de um toldo e a discussão que se estabeleceu com o comandante do destacamento".
O sindicato exige a punição dos agressores, que estavam a serviço do Comando Militar do Leste (CML). A nota denuncia ainda "a incompetência do serviço de segurança da Presidência da República em situações como essa".
Segundo o sindicato, todos os jornalistas estavam credenciados pela Secretaria de Divulgação e Imprensa do Palácio do Planalto para o evento "e, mesmo assim, foram agredidos".