|
  • Bitcoin 121.259
  • Dólar 5,0515
  • Euro 5,2137
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 08/07/2022, 19:30

Sesa confirma terceiro caso de varíola dos macacos no Paraná

Estado ainda tem outros sete casos suspeitos, um deles em Londrina; país tem 173 confirmações

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 08 de julho de 2022

Guilherme Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Istock
menu flutuante

O Paraná confirmou o terceiro caso de varíola dos macacos. Trata-se de um homem de 29 anos, residente em Curitiba, com viagem recente para São Paulo. O estado já havia confirmado outros dois casos nos últimos dias, sendo dois homens de 27 e 31 anos, também moradores na capital paranaense.   

Há ainda outros oito casos em investigação, sendo três em Curitiba, um em Londrina, um em Cascavel, um em Campina Grande do Sul e um em Pinhais. Os pacientes possuem histórico de viagem ou contato com caso confirmado.

Até sexta-feira (8),  o Brasil registra 173 casos de varíola dos macacos. São 31 novas notificações, em comparação com o balanço divulgado pelo Ministério da Saúde na quinta (7), quando o país contabilizava 142 registros. De acordo com a pasta, a maioria das notificações está no estado de São Paulo, com 121 registros. Rio de Janeiro aparece com 30 casos; Minas Gerais, 12; Paraná, três; Ceará registra duas notificações; Rio Grande do Sul também tem dois casos registrados; Distrito Federal, um; Rio Grande do Norte, um; e Santa Catarina, um.

"A Secretaria de Saúde do Paraná, por meio da Sala de Situação e CIEVS (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde) Nacional, segue em articulação direta com os estados para monitoramento dos casos e rastreamento dos contatos dos pacientes", disse o Ministério, em nota enviada à reportagem.

TRATAMENTO

Não há tratamento específico, mas os quadros clínicos costumam ser leves, sendo necessários o cuidado e a observação das lesões, de acordo com a Opas (Organização Panamericana da Saúde). O maior risco de agravamento ocorre, em geral, para pessoas imunossuprimidas com HIV/aids, leucemia, linfoma, metástase, transplantados, pessoas com doenças autoimunes, gestantes, lactantes e crianças com menos de 8 anos. 

Os primeiros sintomas podem ser febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, linfonodos inchados, calafrios ou cansaço. De um a três dias após o início dos sintomas, as pessoas desenvolvem lesões de pele, geralmente na boca, pés, peito, rosto e ou regiões genitais. Para a prevenção, deve-se evitar o contato próximo com a pessoa doente até que todas as feridas tenham cicatrizado, assim como com qualquer material que tenha sido usado pelo infectado. Também é importante a higienização das mãos, lavando-as com água e sabão ou utilizando álcool gel. (Com Folhapress)

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1