Sérvios e croatas hostilizam Albright na Bósnia8/Mar, 15:22 BRCKO, Bósnia, 08 (AE-AP) - Centenas de sérvios gritaram hoje (08) "assassinos" e um ovo foi lançado contra a secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, quando ela visitava uma cidade bósnia que deveria servir como exemplo de harmonia étnica para os moradores de Kosovo. Ao sul, um protesto de cerca de 10 mil croatas bósnios contra a recente condenação de um de seus ex-generais pelo tribunal de crimes de guerra da ONU também transformou-se numa manifestação anti-EUA. Os manifestantes, em Kiseljak, acusaram o Ocidente de ser anticroata por causa da sentença de 45 anos de prisão imposta ao general Tihomir Blaskic por atrocidades cometidas contra muçulmanos. Eles queimaram uma bandeira americana e vaiavam cada vez que o nome de Albright era mencionado. Um homem identificado por integrantes da multidão como sendo Pero Kordic - o pai de Dario Kordic, outro croata bósnio suspeito de crimes de guerras sendo agora julgado - sugeriu que Albright não estava sendo sincera. Segundo ele, ela afimou não saber o paradeiro do ex-líder sérvio bósnio Radovan Karadzic, o suspeito número 1 de crimes de guerra do país. A embaixada dos EUA em Sarajevo advertiu os americanos para não irem a Kiseljak, cerca de 40 km a oeste de Sarajevo, e à cidade sulista de Mostar, onde manifestações menores também foram realizadas. Albright, que chegou à Bósnia vindo de Praga, estava em Brcko para o anúncio oficial tornando a cidade nortista um distrito multiétnico - uma decisão imposta no ano passado num esforço de aplacar sérvios, muçulmanos e croatas, todos reivindicando a cidade. Sérvios bósnios ganharam o controle da cidade durante a Guerra da Bósnia de 1992 a 1995. O status de Brcko foi a única questão territorial deixada sem solução no acordo de paz de Dayton de 1995, que pôs fim à guerra. Sérvios bósnios insistem em manter o controle de Brcko porque a cidade está num estreito corredor ligando terras dominadas por sérvios no leste e oeste do país. Mas a Federação Muçulmano-Croata quer ter acesso ao rio e a instalações ferroviárias. A federação também quer que milhares de refugiados, na maioria muçulmanos, retornem às suas casas. árbitros internacionais adiaram por duas vezes uma decisão sobre o futuro de Brcko e finalmente decidiram no ano passado declarar a cidade um distrito neutro, apesar de forte resistência sérvia. Agora, a cidade tem um governo multiétnico aprovado por autoridades internacionais e seus moradores estão livres do recrutamento, num gesto simbólico para demonstrar a importância da paz. Mas militantes sérvios ainda querem o controle de Brcko - e quando a comitiva de Albright seguia para a prefeitura onde o anúncio e a cerimônia tornando a cidade um distrito seriam feitos, cerca de 300 sérvios começaram a gritar "assassinos", "ladrões", e palavrões. Sérvios bósnios ainda se ressentem do apoio dado pelos EUA a seus inimigos de guerra muçulmanos. Um dos veículos foi atingido por um ovo quando passava entre as pessoas, muitas acenando três dedos na tradicional saudação sérvia. Alguns na multidão também gritavam "Dodik, traidor" - numa referência a Milorad Dodik, o primeiro-ministro pró-Ocidente da parte sérvia da Bósnia.