Aparecida, SP, 09 (AE) - O Santuário Nacional de Aparecida, no Vale do Paraíba (SP), iniciou no último fim de semana uma pré-operação para testar o sistema de cobrança de estacionamento dentro da área da igreja. Com essa nova receita, a administração da basílica pretende dar andamento às obras de infra-estrutura para atendimento aos peregrinos e informou que os recursos captados não serão usados no acabamento e embelezamento da igreja, que começou a ser construída em 1951.
O empreendimento foi terceirizado e está sendo administrado pela empresa Minas Park Aparecida Estacionamentos, que tem sede em Belo Horizonte. Segundo funcionários, a cobrança efetiva deve acontecer dentro de 20 dias. Estão previstas tarifas diferenciadas por período de 12 horas sendo: carros, 5 reais; caminhões, 10; vans, 15, e ônibus de excursão, 20.
O administrador da basílica, padre Darci Niciolli, disse que não sabe com precisão a capacidade do estacionamento, mas acredita ter 2.300 vagas para ônibus e 2 mil para carros de passeio. O padre também não soube informar qual a porcentagem que o santuário vai receber nesta parceria. Aparecida recebe anualmente cerca de 7 milhões de visitantes.
Niciolli disse que a igreja realizou uma pesquisa de opinião com os visitantes e 73% dos entrevistados teriam sido favoráveis à cobrança.
O romeiro Antonio José dos Reis, de Santa Cruz das Palmeiras, no interior de São Paulo, costuma vir a Aparecida todos os anos, em ônibus de excursão. Para ele, a igreja devia distribuir um folheto informando quais os benefícios que os romeiros vão ganhar com essa cobrança. O casal Vinicius e Audali Castor, de São Paulo, visita Aparecida duas vezes por ano e não gostou da idéia da cobrança. "Achamos que as pessoas vão deixar de visitar o santuário." Segundo eles, os peregrinos não deveriam pagar estacionamento.