sendo dois de carência. Os critérios para enquadramento das famílias no pacote de ajuda do governo estadual serão definidos nos próximos dias. Até agora, o Rio Grande do Sul já perdeu 1,9 milhão de toneladas de soja, milho e feijão na atual safra em função da escassez de chuva registrada de novembro a janeiro.Por Sérgio Bueno Porto Alegre, 7 (AE) - O secretário da Agricultura do Rio Grande do Sul, José Hermeto Hoffmann, anunciou hoje um programa de R$ 51,3 milhões para socorrer 23 mil famílias de pequenos produtores atingidos pela estiagem. A ação emergencial inclui R$ 17,5 milhões do Tesouro gaúcho e R$ 18,1 milhões em financiamentos do Banco Mundial (Bird). O programa também conta com R$ 13,9 milhões solicitados ao governo federal, mas por enquanto foram garantidos, por meio de Medida Provisória publicada semana passada, apenas R$ 4 milhões. Já as prefeituras dos municípios atendidos, deverão entrar com contrapartida de R$ 1,7 milhão. Segundo o secretário, o programa tem três linhas básicas. A primeira prevê obras de infraestrutura, inclusive perfuração de poços artesianos e instalação de redes de armazenamento e distribuição de água. Também serão executadas ações para geração de renda, como custeio das lavouras de inverno, reservas de forragens para o gado e implantação de açudes para piscicultura, além de cursos sobre manejo de recursos naturais. Os empréstimos aos agricultores terão juros de no máximo 4% ao ano, sem correção monetária, e prazo de até sete anos para pagar