RN acompanha beatificação de católicos massacrados no século 172/Mar, 21:33 Por Juliano de Souza, especial para a AE Natal, 02 (AE) - A Igreja Católica vai montar telões nas comunidades de Cunhaú, em Canguaretama, e no povoado de Uruaçu, em São Gonçalo do Amarante, locais onde houve a matança de 150 católicos por soldados holandeses e índios no século 17. A arquidiocese de Natal, à qual estão ligadas as duas paróquias, prepara inúmeras celebrações para domingo, a partir das 5 horas, quando começa a cerimônia de beatificação dos mártires de Cunhaú e Uruaçu, no Vaticano. Em Natal, a Catedral Metropolitana, na Cidade Alta (centro da capital), também terá um telão para retransmitir o sinal da Rede Vida, que exibirá a cerimônia ao vivo. Em Cunhaú, a 75 quilômetros de Natal, o telão será montado na Capela de Nossa Senhora das Candeias, onde ocorreu o massacre.Em Uruaçu, o telão será montado na Ponta do Flamengo, localidade onde ocorreu a matança. O governo estadual está construindo ali um monumento em forma de concha. A Igreja espera a presença de peregrinos nesses locais. Dificuldades - De todos os mártires sacrificados, primeiro no Engenho de Cunhaú, em 16 de julho de 1645, e depois no Engenho de Uruaçu, em 3 de outubro do mesmo ano, foram identificados apenas 30, por monsenhor Francisco de Assis Pereira, postulador da causa dos mártires no Vaticano. Os mais conhecidos são os padres espanhóis André de Soveral e Ambrósio Francisco Ferro e o camponês Matheus Moreira, que teve seu coração arrancado pelos índios janduís, em Uruaçu. A pedido do arcebispo da capital, d. Heitor de Araújo Sales, todas as paróquias da Grande Natal oferecerão as missas à memória do sacrifício dos mártires. Trezentos natalenses, entre eles 30 padres, viajaram para Roma. A previsão de monsenhor Lucas Batista, que se sentará ao lado do postulador da causa durante a cerimônia na Santa Sé, é a de que mil brasileiros estejam no Vaticano neste domingo. D. Heitor, seu irmão, o cardeal d. Eugênio Sales, e mais 5 padres potiguares vão concelebrar a cerimônia com o papa João Paulo II. O arcebispo fará a leitura do pedido para a beatificação em latim. Um casal natalense, Edson e Denise, entregará um presente ao papa. Pessoas de outros 19 países, como Bielo-Rússia Vietnã, Tailândia e Filipinas, também serão beatificados no domingo. O painel produzido pelo pintor potiguar Gilvan Lira, com motivos sobre o martírio, ficará na porta principal da Basílica de São Pedro, segundo monsenhor Lucas.