Rio, 02 (AE) - Pelo menos 80 pessoas estão desabrigadas em Barra Mansa, região sul do RJ, em consequência das chuvas. O nível do rio Bananal, afluente do rio Paraíba do Sul, subiu 1,40 metro e invadiu as casas dos moradores de São Luiz e Boa Esperança - os bairros mais afetados da cidade. Os desabrigados foram acomodados em casas de parentes e amigos.
As regiões Sul e Serrana são as mais atingidas pela chuva que castiga o Estado desde a virada do ano. Em Volta Redonda, município vizinho a Barra Mansa, o nível do rio Paraíba do Sul chegou a 1,70 metro acima do normal. A Defesa Civil municipal atendeu a 15 chamadas de deslizamento de encostas - nenhuma com vítimas. O mais grave aconteceu no bairro de Belo Horizonte, na zona norte da cidade, onde uma casa ficou parcialmente soterrada.Segundo o chefe da Defesa Civil, Celso da Silva Teodoro, não havia ninguém em casa na hora do desastre. "Estamos trabalhando com todo o nosso pessoal", disse. O efetivo do órgão é de 20 homens.
Na região Serrana, as cidades de Petrópolis e Nova Friburgo também tiveram problemas por causa da chuva. Em algumas ruas a água chegou até a cintura dos pedestres, vários carros enguiçaram e tiveram que ser empurrados. Ocorreram ainda deslizamentos de terra sem vítimas.
Delegacia - Em Mangaratiba, sul do Estado, a delegacia amanheceu alagada. Os policiais tiveram que interromper o atendimento ao público porque a água da chuva invadiu o prédio alcançando quase um metro de altura. Quinze presos ficaram com água quase na cintura.
Na Praia Dona Luiza, em Sepetiba, no Grande Rio, dez quarteirões ficaram alagados. Muitos moradores tiveram que abandonar suas residências e buscar abrigo em casas de amigos e parentes.
O Instituto Nacional de Meteorologia do Rio de Janeiro informou que o tempo no Estado deverá permanecer ruim até terça-feira. A previsão para esta segunda-feira é de clima nublado, com chuvas esparsas. Segundo a meteorologista Ana Maria Mattos, a tempestade na virada do ano foi consequência de uma frente fria que veio do Sul do País, estacionou em São Paulo e que nas últimas horas do dia 31 deslocou-se para o Rio, onde continua provocando chuva.