Brasília, 29 (AE) - Um aluno de ensino superior público no Brasil custa 12 vezes mais do que um de ensino fundamental e dez vezes mais do que um de ensino médio, segundo o relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE)/Unesco divulgado hoje no País pelo ministro Paulo Renato Souza. O investimento médio anual por aluno universitário é de R$ 8.201, valor que cai para R$ 761,00 no ensino médio e R$ 652 00 no fundamental, de acordo com o documento (dados de 1996).
Dos 45 países analisados no relatório - 16 deles em desenvolvimento -, apenas o Paraguai registra uma distorção tão acentuada, destinando R$ 14.645 por universitário, ante R$ 366 por estudante do ensino fundamental. Entre os 29 países que compõem a OCDE, a diferença de investimento entre os níveis de ensino é bem menor: o aluno de ensino superior custa, na média, no máximo 2,3 vezes mais do que o de ensino fundamental e 1,8 vezes mais do que o de ensino médio. Na Itália, o investimento no estudante de 2.º grau é maior do que no universitário.
Segundo o relatório, o Brasil investiu em educação 4,8% do seu Produto Internato Bruto (PIB), em 1996. Mais, portanto, do que a Argentina (3,7%), o Chile (3,2%) e o Japão (3,6%) e quase o mesmo do que os Estados Unidos (5%). "O mais importante em educação é a qualidade do gasto", disse Paulo Renato. "É dar atenção ao ensino fundamental e ao médio". (D.W.)