Salvador, 01 (AE) - Destituído na semana passada, o Rei Momo Édicles Calmon Brasil de Melo, está disposto a estragar a festa de abertura do carnaval de Salvador amanhã (02), quando o prefeito Antonio Imbassahy (PFL) entrega, simbolicamente, as chaves da cidade para as "autoridades momescas". Como Melo está sendo processado por estelionato, Imbassahy avisou que entregará as chaves à rainha do carnaval.
Melo não se conforma e ameaça aparecer na solenidade, fantasiado para pegar (ou até arrancar) as chaves de Salvador, das mãos do prefeito. "Vou fazer um escândalo", disse. Se isso ocorrer, ele pode ir para a cadeia, disseram assessores do prefeito. Irritado com o episódio, Imbassahy não aceitou nem o arranjo feito pela Associação dos Clubes Carnavalescos (que organizou o concurso de Momo), que foi tirar o título de Melo e entregar ao segundo colocado Jeomar Santos.
"Esse ano é de oxum, governado pelas mulheres, então a rainha é que vai receber as chaves", brincou uma fonte ligada ao prefeito, assegurando que Melo será "defenestrado" caso tente uma aproximação durante a cerimônia de abertura do carnaval.
O ex-Rei Momo afirma poder provar sua inocência. Ele teria conseguido um certidão no Tribunal de Justiça da Bahia garantindo que não responde a nenhum processo criminal. Seu nome foi envolvido com a polícia, conforme explicou, porque ladrões teriam usado seus documentos para falsificar cartões de crédito. "Querem acabar com o meu sonho", lamentou. O caso de Melo ainda não chegou à Justiça, encontra-se na etapa do inquérito policial. A confusão pode ofuscar o início do carnaval de Salvador, que começa logo após o desfile do cortejo momesco, quando quarenta blocos e trios ganham as ruas da cidade para animar os foliões até a Quarta-feira de Cinzas.