ATIVIDADES NÃO ESSENCIAIS SUSPENSAS -

Ratinho Jr. determina quarentena em sete regiões do Paraná

Medidas tomadas para conter avanço do coronavírus são válidas por 14 dias

Vitor Ogawa - Grupo Folha
Vitor Ogawa - Grupo Folha

O governo do Estado determinou uma quarentena mais rigorosa por 14 dias nas áreas de abrangência de sete Regionais de Saúde: Cornélio Procópio, Cianorte, Londrina, Toledo, Cascavel, Foz do Iguaçu e Curitiba. O decreto, válido a partir desta quarta-feira (1º), prevê que estão suspensas as atividades não essenciais e também o funcionamento de shopping centers, galerias, comércio de rua, barbearias, salões de beleza, clínicas de estética, academias e clubes. 


A medida determina que restaurantes poderão funcionar com entrega em domicílio, retirada no balcão e retirada expressa sem o desembarque (drive thru). Mercados e supermercados podem continuar funcionando das 7 horas às 21 horas. O fluxo de pessoas nesses estabelecimentos deve ser limitado a 30% de sua capacidade e controlado por meio de senhas. Será permitido o ingresso de apenas um membro da família por estabelecimento.




Serviços de conveniência em postos de combustíveis podem continuar funcionando sem horário definido. Está suspensa a circulação em praças, parques, passeios, academias de musculação e demais atividades ao ar livre. Também ficam suspensos os procedimentos cirúrgicos eletivos hospitalares e ambulatoriais, com exceção de cardiologia, nefrologia e oncologia e outros de caráter de urgência, considerados necessários pelos médicos. 


O decreto estadual autoriza os municípios a implantarem barreiras sanitárias nos limites de seus territórios. As multas devem variar de um a cinco UPF/PR (unidade padrão fiscal do Paraná, estabelecida em R$106,34) para pessoas físicas e de 20 a 100 UPF/PR para pessoas jurídicas.  


As medidas devem ser adotadas pelas Regionais de Saúde por 14 dias a partir desta quarta-feira (1º). Quem descumprir as medidas estará sujeito a multa, cassação do alvará e da inscrição estadual. Será  autorizado apenas o funcionamento de serviços essenciais, que já foram definidos em decretos anteriores. 


RECORDE DE CASOS


O anúncio foi realizado no dia em que o Estado registrou um recorde de novos casos confirmados em um dia, com 1.536 ocorrências, e também de mortes, com 36 óbitos. O número de casos no Paraná chegou a 22.623 confirmações e 636 óbitos. “O Paraná ainda é o Estado com menor número de infectados por 100 mil habitantes. Todo esforço do governo e da população colaborou para este momento, para que não houvesse colapso da saúde, e trouxesse bons resultados. Saímos de 1.200 leitos em 30 anos e entregamos quase 800 leitos em poucos meses”, tentou se justificar o governador Ratinho Junior para a não adoção de um lockdown em todo o Estado. 


Segundo ele, não são todas as regiões do Estado que demandam medidas duras. Os critérios para a adoção da quarentena regional foram a combinação das taxas de mobilidade, de transmissão da doença, de ocupação dos leitos, disponibilidade de sedativos e outros medicamentos necessários para essas internações e disponibilidade de profissionais intensivistas. “Cerca de 75% dos casos de Covid-19 do Paraná estão vinculados a sete Regionais de Saúde, onde os casos estão mais agudos. São 134 municípios (dos 399 existentes)”, relatou o governador. “A ideia é que nossas decisões sejam pontuais como em uma acupuntura, para conseguir frear a velocidade dessa curva de propagação para garantir mais tranquilidade aos profissionais do setor de saúde. A ideia é oferecer o serviço e não deixar colapsar o setor econômico”, destacou Ratinho Junior. 


ISOLAMENTO SOCIAL E TAXA DE TRANSMISSÃO

Segundo o secretário de Saúde, Beto Preto , o objetivo é manter o índice de isolamento social em torno de 50% a 55% e a taxa de transmissão abaixo de 1. O Paraná está com uma taxa de isolamento na casa dos 36% e a taxa de transmissão está em torno de 1,37.


Beto Preto ressaltou que de 14 a 28 de junho os casos de Covid-19 saltaram de 9.583 para  20.516, um crescimento de 114%. O número de óbitos saltou de 326 para 586, um aumento de 79%. “Nos últimos 15 dias foi registrada metade das ocorrências que tinham sido registradas nos últimos 110 dias”, destacou. O Ipardes (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social) fez uma projeção de que até o dia 5 de julho o número de casos no Estado chegue a 32 mil.  


Conforme lembrou a diretora da 17ª Regional de Saúde, Maria Lúcia Lopes, o índice de mortalidade para cada 100 mil habitantes e a incidência de casos novos pelo mesmo grupo de pessoas foram fundamentais para a inclusão da Regional de Londrina no escopo do decreto. “Isso é um cuidado, o objetivo do Estado é proteger as pessoas, é que este tempo em casa afaste as pessoas e possibilite aos serviços de saúde se organizarem para que possamos reduzir estes índices”, explicou. (Colaboraram Vitor Struck e Guilherme Marconi)

CURVAS DE CONTÁGIO Paraná

Londrina

MAPA VEJA TAMBÉM Mapa em tempo real mostra a evolução do coronavírus no Paraná https://www.folhadelondrina.com.br/geral/mapa-do-coronavirus-no-parana-2982678e.html GRÁFICO DE CASOS POR DIA EM LONDRINA

OUTRAS CIDADES JUNTAS

CARDS DOS BOLETINS (PARANÁ, LONDRINA, BRASIL)

OUTRAS CIDADES SEPARADAS Curitiba

Maringá

Cascavel

Foz do Iguaçu

Campo Mourão





Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo