São José dos Campos, SP, 03 (AE) - As chuvas dos últimos dias provocaram muitos problemas em municípios do Vale do Paraíba paulista e da Serra da Mantiqueira. Os municípios de Cruzeiro e Queluz são os mais atingidos pelas cheias do rio Paraíba do Sul .Queluz e Piquete decretaram estado de calamidade
Cruzeiro, alerta. Várias estradas estão bloqueadas por barreiras ou inundadas.
A prefeitura de Queluz decretou hoje estado de calamidade pública nas primeiras horas da manhã de hoje (03), quando mais de 250 residências foram invadidas pelas águas na cidade. Por volta das 3 horas o Paraíba voltou a subir rapidamente deixando o centro da cidade parcialmente inundado. Ainda não há um levantamento sobre o número de desabrigados em Queluz, pois vários locais da zona rural estão isolados.
Segundo o secretário de turismo do município, Rutnei Morato, no bairro da Palha cerca de 100 casas ficaram submersas e outras 60 se encontram na mesma situação no bairro São Benedito. " Nossa sorte é que a Represa do Funil estava vazia e não prendeu tanto as águas que chegaram ", comentou.
Em Cruzeiro, segundo o comando do bombeiros, o estado é de alerta. Muitas famílias estão sendo resgatadas pelos soldados ou removidas para abrigos. Cerca de 200 pessoas estão sendo transferidas para igrejas e escolas, até as obras inacabadas do hospital municipal está servindo de refúgio neste momento.
Os bairros de Itagaçaba e Vila Batista, ambos situados às margens do Paraíba, são os locais mais afetados. Na área conhecida como Pedra do Jacu, dezenas de famílias estão completamente isoladas e incomunicáveis. A ponte que serve a região desapareceu sob as águas e os bombeiros enviam remédios, água potável e alimentos por cestos presos em cabos de aço. A fábrica Maxion, antiga Fábrica Nacional de Vagões, teve sua linha de produção inundada e suspendeu suas atividades.
Os bombeiros de Cruzeiro atenderam somente nesta segunda-feira mais de 50 ocorrências e há possibilidades de agravamento do quadro já que continua a chover na região.
Também em Piquete foi decretado estado de calamidade pública. A cidade está sem água potável desde as primeiras horas de hoje (03), depois que uma barreira caiu na estação de tratamento do município. A estrada BR-459, que liga Piquete a Itajubá (MG), está interditada devido a 45 pontos de deslizamento.
São José dos Campos -A unidade central dos bombeiros, em São José dos Campos, tem enviado reforços para os trechos mais atingido do vale. As cidades de Cachoeira Paulista e Guaratinguetá também apresentam problemas com inundações, interdição de acessos rodoviários e desabrigados. Em Campos do Jordão, na Mantiqueira, a Defesa Civil trabalha na retirada dos moradores de áreas de risco. Os bairros do Britador, Vila Paulista Popular, Britânia e Vila Albertina foram os mais afetados pelas chuvas.Cerca de 10 casas foram destruídas por deslizamentos de encostas.
Hoje é o quatro dia seguido de chuva em Campos do Jordão.Até o momento, 35 pessoas estão desabrigadas e foram recolhidas ao albergue municipal. Segundo o chefe da Defesa Civil, Jaime Donizete dos Santos, o quadro está estável e dificilmente será agravado nas próximas horas. " A situação está sob controle", assegurou.