São Paulo, 07 (AE) - Um município com a economia voltada para o setor de prestação de serviços e pólo cultural de toda a região leste da Grande São Paulo. Esse é o cenário imaginado por um grupo de estudantes de arquitetura para Mogi das Cruzes daqui a alguns anos. Diante dessas possíveis transformações, alunos da Universidade de Mogi das Cruzes elaboraram um plano urbanístico que será apresentado no seminário Megacidades 2000, a ser realizado esta semana em Hong Kong, na China.
"Acreditamos em uma expansão urbana muito grande para a região leste da Grande São Paulo", explica a professora Iracy Leme, que coordenou o grupo de cinco alunos que participaram do projeto. Em dois meses, foi elaborado um plano para a cidade de Mogi das Cruzes, que incluiu modernização da rede de transportes
preservação do meio ambiente e revitalização do centro da cidade, que ganharia uma torre de 250 metros de altura. "É uma proposta meio futurista", justifica a coordenadora do projeto.
"Houve uma preocupação muito grande na adaptação do espaço urbano", diz Iracy. "Como a cidade é antiga, há muitas ruas estreitas que precisam ser adaptadas", explica a professora. Os futuros arquitetos estudam, por exemplo, a posibilidade de contrução de vias substerrâneas para o tráfego de veículos em algumas vias. Uma das vantagens da proposta, segundo a arquiteta, é a valorização do pedestre no cenário urbano. Patrimônio - A modernização de regiões como o centro não significa que o patrimônio histórico será esquecido. Fundada em 1601, Mogi das Cruzes é uma das cidades mais antigas do Estado de São Paulo. "Ainda temos casas de taipa de pilão", diz Iracy. No plano urbanístico, foi incluída a preservação de imóveis importantes para a história da cidade.
Os alunos não se limitaram a propostas futuristas e transformação do solo urbano. Eles chamaram a atenção para a questão ambiental em toda a região metropolitana de São Paulo. No caso de Mogi, houve um alerta para os loteamentos clandestinos na cidade e a preservação da Serra do Itapeti, um dos cartões postais do município. Megacidade - O trabalho dos alunos de Mogi das Cruzes integra o projeto São Paulo Megacidade, que abrange dez faculdades de arquitetura. A megacidade de São Paulo, que inclui regiões próximas da região metropolitana, foi dividida em grandes eixos, para serem estudados pelos estudantes.
A divisão das áreas foi de acordo com a localização de cada instituição. A Universidade de São Paulo (USP), por exemplo
ficou responsável pela região oeste. A finalidade do estudo foi apresentar alternativas para desenvolvimento de uma "ecometrópole" de seis milhões de habitantes, que vai da zona oeste da capital até Sorocaba.
Os trabalhos foram reunidos e levados para Hong Kong por um grupo de alunos e professores. O objetivo é mostrar para todo o mundo alternativas encontradas para resolver os problemas enfrentados pela maior concentração urbana da América do Sul.