Brasília, 10 (AE) - O governo federal poderá conseguir a aprovação do projeto de lei que proíbe a comercialização de armas no País, na Câmara, apesar da pressão contrária do lobby de deputados ligados às Policias Civil e Militar. Já existe consenso entre os líderes para que o assunto seja votado ainda durante a convocação extraordinária do Congresso. "Não tem nenhuma liderança contra e embora o poder de pressão do lobby das armas seja considerável, a maioria deve votar de acordo com a proposta do governo", avaliou o deputado Luis Carlos Hauly (PSDB-PR), vice-líder do governo no Congresso. Para o líder do PT na Câmara, deputado José Genoíno SP), "o projeto do governo é aceitável e o único problema que existe está dentro da base governista". O relator do projeto de lei, deputado Alberto Fraga (PMDB-DF), que é coronel da reserva da Polícia Militar, modificou substancialmente a proposta e deve ter o seu parecer rejeitado. Fraga permite, em sua proposta, que policiais civis e militares tenham livre porte de arma de fogo e apenas estende para a comercialização de armas as regras que já existem para concessão de porte.