Produradoria de Justiça convocará Nicéa para depor11/Mar, 0:22 São Paulo, 11 (AE) - A Procuradoria-Geral de Justiça vai convocar a primeira-dama Nicéa Pitta para depor no Setor de Apuração de Crimes de Prefeitos do Ministério Público Estadual (MPE). O depoimento será tomado na próxima semana. De acordo com o procurador de Justiça José Benedito Tarifa, nas declarações de Nicéa há, em tese, "indícios de ilícitos penais", entre eles peculato, corrupção ativa e passiva, prevaricação e fraude de licitações. O objetivo, segundo Tarifa, é obter mais detalhes sobre as denúncias feitas pela mulher do prefeito Celso Pitta (PTN). "Vamos apurar o eventual envolvimento do prefeito nos fatos relatados pela sua mulher", disse Tarifa. O MPE quer que Nicéa apresente mais elemntos e testemunhas que comprovem suas denúncias. "Então, decidiremos quais inquéritos vamos requisitar à polícia." De acordo com ele, o mais provável é que para cada denúncia feita por Nicéa seja aberto um inquérito. Essa não é a primeira vez que Nicéa é ouvida nesse setor do MPE. Ela prestou depoimento anteriormente durante a apuração do escândalo da venda de frangos para a Prefeitura no governo Paulo Maluf, o Frangogate. O secretário-adjunto da Secretaria da Segurança Pública, Mario Papaterra Limongi, vai requisitar hoje à Rede Globo a fita com a íntegra do programa Globo Repórter, para definir quantos e quais inquéritos serão abertos para apurar as denúncias. A decisão da secretaria baseou-se no fato de Limonge também ter enxergado "indícios de ilícito penal" nas declarações de Nicéa. O procurador Tarifa também afirmou que requisitará a fita de vídeo. Os promotores do Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) também pretendem ouvir Nicéa nos diversos inquéritos instaurados sobre irregularidades em diversos setores da administração: superfaturamento no PAS, contratação de funcionários fantasmas na Anhembi Turismo e Eventos e arrecadação de propinas nas administrações regionais, entre outros. "Além dessas, outras investigações deverão surgir em razão do conteúdo das declarações", disse o promotor José Carlos Blat. Os promotores do Gaeco já haviam percebido a intenção de Nicéa de fazer novas denúncias. No dia 28 de fevereiro, ela telefonou ao promotor de Justiça Roberto Porto disposta a marcar uma data para uma conversa. "Ela ficou de comparecer ao Ministério Público, mas acabou desmarcando", observou Porto. Ele afirma que os indícios das irregularidades apontadas por Nicéa já haviam surgido durante as várias investigações sobre a Prefeitura. "Tudo o que ela fala já era objeto de investigação, apenas não conseguimos colher as provas", diz. A primeira-dama também deverá ser chamada a depor ainda nesta semana pelo promotor de Justiça da Cidadania Fernando Capez para prestar declarações no inquérito que apura as irregularidades na coleta de lixo da capital.