|
  • Bitcoin 106.093
  • Dólar 5,2383
  • Euro 5,4871
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 22/06/2022, 14:51

Procuradora é espancada por colega de trabalho no interior de SP

Em depoimento, a vítima disse que a atitude do agressor foi motivada por reação a um procedimento administrativo aberto contra ele

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 22 de junho de 2022

Mariana Moreira – Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Rio de Janeiro - A Prefeitura de Registro, no interior paulista, suspendeu por 30 dias um procurador do município filmado agredindo uma colega com chutes e socos. 

 Vídeos que circulam em redes sociais mostram a procuradora-geral do município Gabriela Samadello Monteiro de Barros, 39, sendo espancada pelo também procurador Demetrius de Oliveira de Macedo, 34, na sede da prefeitura, onde trabalham, na tarde de segunda-feira (20). 

 A agressão à mulher na cidade do interior de São Paulo aconteceu por volta das 16h50, na sala da Procuradoria. A reportagem não conseguiu localizar o procurador nem a defesa dele para comentar o caso. 

 O vídeo da agressão foi amplamente compartilhado nas redes sociais nesta terça (21). Uma funcionária filmou o momento em que Barros é espancada por Macedo. 

 Quando a procuradora já estava ferida no chão, outras duas mulheres apareceram na sala da prefeitura para ajudá-la. As cenas mostram que elas tentam conter o agressor, enquanto, além da violência física, xinga a colega de "puta" e "vagabunda". 

 A gravação compartilhada dura 17 segundos. Nesse intervalo, é possível ver que a vítima consegue se levantar, ensanguentada, com as mãos na cabeça e recebe o apoio de uma das funcionárias, mas o homem continua perseguindo-a. 

LEIA TAMBÉM 

+ Londrinenses promovem caminhada pelo fim da violência contra a mulher 

+ PM registra menos roubos e aumento da violência doméstica em Londrina 

 Após ser espancada, Barros ficou com ferimentos na face e no corpo. Em depoimento no 1º Distrito Policial de Registro na noite de segunda, a procuradora disse que a atitude de Macedo foi motivada pela reação a um procedimento administrativo aberto contra ele pela procuradora. 

 Ela contou à polícia que solicitou a abertura de um procedimento disciplinar para apurar a conduta do colega, que já vinha apresentando comportamentos inadequados no trabalho. 

 O documento foi encaminhado à Secretaria de Administração da Prefeitura de Registro em 30 de maio, conforme consta no depoimento. Barros disse também que o colega vinha sendo questionado pelo comportamento ríspido. 

 Uma funcionária, segundo cita a procuradora no depoimento, já havia reclamado e dito ter sentido "medo" de trabalhar no mesmo ambiente que ele. 

 No documento policial, o registro é de lesão corporal. Nesta terça-feira (21), foi publicado no Diário Oficial do Município de Registro o afastamento do procurador pelo período de 30 dias. 

 O prefeito Nilton Hirota (PSDB) gravou um vídeo em repúdio ao ocorrido. Ele afirma ser totalmente contra qualquer tipo de violência moral, física e simbólica. 

 Em nota, a prefeitura reafirmou "o compromisso com a prevenção e enfrentamento a todas as formas de violência, principalmente aquelas que vitimizam mulheres". 

A prefeitura também disse que os servidores da Procuradoria-Geral Municipal e da Secretaria de Negócios Jurídicos receberão apoio necessário, inclusive acompanhamento psicológico. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.