Privatização da Cesp Geração do Paraná nas mãos do Ibama7/Mar, 11:29 Por Milton F.da Rocha Filho São Paulo, 07 (AE) - O processo de privatização da Companhia de Geração do Paraná está esperando uma decisão da Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), para que possa encher um pouco mais o lago da Hidrelétrica Ministro Sérgio Motta, conhecida como Hidrelétrica de Porto Primavera, e com isso instalar novas turbinas. Se o Ibama aprovar, o processo de privatização terá prosseguimento e ela será vendida com uma dívida de R$ 8,5 bilhões. Segundo o secretário de Energia do Estado, Mauro Arce, a aintenção é privatizar a Cesp Geração do Paraná na segunda quinzena de agosto. De acordo com ele, há muitas companhias interessadas, nacionais e internacionais. A Cesp Paraná, uma companhia geradora de energia elétrica com sete hidrelétricas que tem um potencial de produzir 7 mil megawatts, ao ser vendida estará levando uma dívida de R$ 8,5 bilhões. Em 2001, o comprador deverá resgatar R$ 1 bilhão ou renegociar com os credores. Mesmo assim, várias companhias internacionais, como a Duke, Enron, AES além do grupo nacional VBC estão interessados na compra da empresa. Por causa desta dívida a Cesp Paraná não foi cindida. Como cindir uma dívida deste tamanho, sendo que pelo menos 30% dela é causada pela Hidrelétrica de Porto Primavera, que demorou 15 anos para ser construida. Cerca de R$ 7,5 bilhões deverão ser pagos em um prazo de 20 a 25 anos. Por causa desta dívida é que o governador Mário Covas preferiu privatiza-la de uma só vez. Ao vender a Cesp Paraná, São Paulo estará tirando de suas costas uma dívida que foi herdada da antiga Companhia Energética de São Paulo (Cesp). As privatizações anteriores, também embutiram parte da dívida da Cesp que antes do governo de Mário Covas chegava a US$ 12 bilhões. A Cesp Paraná inclui as hidrelétricas de Jaguari, Três Irmãos, Jupiá, Porto Primavera, Ilha Solteira, Barragem Paraitinga e Paraibuna e teria preço mínimo de cerca de R$ 1,5 bilhão.