Maurício Borges
de Apucarana
A polícia civil do Estado conseguiu prender na noite de ontem o representante comercial Ivan Adonizete de Oliveira, o ‘‘Ivanzinho’’, que estava foragido há sete meses, depois de ter matado o maitre do Royal Bingo, de Apucarana, Ilson Aparecido de Oliveira. Na época, no início de julho, o crime causou muita revolta na cidade, pela maneira como o Ivan cometeu o crime. Ilson estava trabalhando e apenas cobrou uma pendência que o representante comercial tinha na casa, sendo atingido à queima-roupa com um tiro no pescoço.
Depois do crime, Ivanzinho, que chegou a participar da política local há alguns anos, tendo exercido o cargo de chefe de gabinete do ex-prefeito José Domingos Scarpelini (PMDB), teve sua prisão preventiva decretada pela justiça. Seu advogado, Mozart Quadros, tentou por duas vezes, sem sucesso, obter o relaxamento de prisão.
Conforme revelou o delegado chefe da 17ª Subdivisão Policial de Apucarana, Nabor Sottomaior, o representante comercial foi preso às 19h20, depois que uma equipe de investigadores da polícia de Curitiba cercou a casa de sua ex-mulher, na cidade de Campo Largo, Região Metropolitana de Curitiba.
Este e outros crimes ocorridos nos últimos meses e que não haviam sido elucidados acabaram provocando um manifesto público de autoridades do Judiciário, Ministério Público e setores organizados da sociedade de Apucarana. O documento encaminhado à Secretaria de Segurança Pública e Tribunal de Justiça, entre outros órgãos, resultou na queda do ex-delegado chefe da 17ª SDP, Otacílio Bovolin e parte de sua equipe.