O presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu ontem o Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam). ‘‘Este foi o projeto mais caluniado do Brasil e junto com ele, eu’’, disse o presidente. ‘‘Inventaram até dossiê Sivam.’’ Ele referia-se às acusações de irregularidades na licitação do projeto, ganho pela empresa norte-americana Raytheon, em 1995, o que atrasou a instalação do Sivam em quase dois anos e por pouco levou à formação de uma uma Comissâo Parlamentar de Inquérito no Congresso. As afirmações do presidente foram feitas durante visita às instalações do Sivam, em Manaus, onde esteve por dois dias para a 4ª Conferência Ministerial de Defesa das América.
O presidente ofereceu os serviços do Sivam na reunião de abertura da conferência e foi informado de que países do continente estão interessados, entre eles Colômbia, Venezuela e México.
Ontem, o ministro da Defesa da Colômbia, Luiz Fernando Ramirez, disse que o interesse de seu país é intensificar a troca de informações com o Brasil sobre vôos ilegais que ocorrem na região Amazônica, mas de forma rápida, para que os aviões possam ser interceptados ainda no ar.
Para ele, a melhor ajuda que o Brasil pode dar à Colômbia, que está lutando contra guerrilhas e o narcotráfico, ‘‘é não ter nenhuma tolerância com o narcotráfico e combatê-lo por terra, ar e água’’.