Assine e navegue sem anúncios [+]

Prefeitura vai terceirizar transporte de pacientes graves com Covid-19


Rafael Machado - Grupo Folha
Rafael Machado - Grupo Folha

A Prefeitura de Londrina está acertando os últimos detalhes para contratar uma empresa que irá ajudar o Samu no transporte de pacientes graves da Covid-19. Hoje, a cidade tem apenas quatro ambulâncias de suporte avançado, onde vão os médicos, para fazer esse deslocamento entre os hospitais e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), mas o aumento de casos tem sobrecarregado os funcionários. A ideia é que a terceirização seja de três meses, com possibilidade de prorrogação pelo mesmo período. 


 

Prefeitura vai terceirizar transporte de pacientes graves com Covid-19
Gustavo Carneiro 04-03-2021
 



Em apenas quatro meses deste ano, o transporte de pessoas em estado crítico da doença subiu 270%. Foram 58 em janeiro, 75 em fevereiro, 206 em março e 215 em abril, números coletados até a última sexta-feira (29). "Essas transferências acontecem quando o paciente sai do Hospital da Zona Norte e vai para o HU, que é referência na região, ou do Zona Sul para o Coração, por exemplo. O acompanhamento é feito por uma equipe especializada, mas a demanda aumentou bastante. E isso que o Samu não deixou de atender as outras situações, como acidentes e problemas clínicos", comentou o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado. Veja na tabela abaixo:


 

Prefeitura vai terceirizar transporte de pacientes graves com Covid-19
Fonte: Secretaria Municipal de Saúde
 




O contrato não foi fechado, mas a FOLHA teve acesso à minuta. Nela, a contratada poderá receber R$ 382.500,00 pelo serviço nos três meses. Seriam R$ 131.750,00 por mês e R$ 4.250,00 por dia. A intenção é transferir diariamente cinco pacientes nesse modelo. Cada deslocamento deve custar R$ 850,00 aos cofres municipais. Porém, a necessidade pode oscilar tanto para mais quanto para menos pela comportamento incerto do vírus. 



"O Samu vai continuar atendendo todos os casos, mas o cenário é muito dinâmico. Se sai uma ordem judicial para transferir um paciente de Londrina para Curitiba, perdemos uma ambulância. A terceirização seria um apoio complementar. Não será a primeira opção, mas uma ferramenta que pode ser acionada. É uma medida nova", disse Machado. 



De acordo com o documento inicial, a logística deve funcionar assim: o hospital entra em contato com o Samu, que abre ocorrência para o médico regulador escolher qual ambulância e a unidade que receberá o infectado. Se for preciso o veículo terceirizado, a Central de Regulação vai comunicar o prestado de serviço contratado pela prefeitura. O transporte também vale para recém-nascidos. Nessas ocasiões, a empresa terá que ceder um pediatra. As remoções valerão apenas para a zona urbana de Londrina. 

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Assine e navegue sem anúncios [+]

Continue lendo