Prefeitura estende prazo de reabertura dos shoppings e galerias

Decreto publicado na sexta-feira (15) prorroga retomada das atividades até o próximo dia 25 de maio; medida ainda não vale para praças de alimentação, cinemas e espaços de lazer

Simoni Saris - Grupo Folha
Simoni Saris - Grupo Folha

A Prefeitura de Londrina publicou, na sexta-feira (15), um novo decreto prorrogando a abertura dos shopping centers e galerias até o dia 25 de maio. Depois de permanecerem fechados por 20 dias, no último dia 7, em reunião da administração municipal e do Coesp (Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública), havia sido autorizado o retorno das atividades dos estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços instalados nos shoppings da cidade. A autorização venceria neste domingo (17).


.
. | Divulgação
 


O novo decreto foi publicado na edição do Jornal Oficial do Município do dia 15 de maio, alterando a redação do decreto anterior, o que possibilita o funcionamento de bares, restaurantes e lanchonetes instalados nos shoppings e galerias, mas apenas para entregas em domicílio ou retirada no local. As praças de alimentação, assim como os cinemas, parques e outras áreas de lazer deverão permanecer fechadas para evitar aglomeração de pessoas.




“A gente esperava que iria prorrogar porque ainda não há muitos casos de Covid-19 e a ocupação de leitos nos hospitais, principalmente, não está alta. A gente gostaria que abrisse aos sábados também para atender as pessoas que não têm tempo de ir ao comércio de rua durante a semana”, disse o presidente da Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina), Fernando Moraes. O novo decreto manteve a restrição no horário de funcionamento dos shoppings, que só podem funcionar de segunda a sexta-feira, das 11 às 19 horas.


O presidente da Acil avaliou a primeira semana de retorno das atividades desses espaços como “razoável”. Moraes destacou que para algumas lojas, que puderam prorrogar o pagamento dos alugueis durante o período de fechamento, manter as atividades com movimento fraco significa o retorno dos custos e acaba não compensando. “Mas por mais que a operação esteja fraca, precisa ficar aberto para ter um crescimento aos poucos. Não é da noite para o dia que as vendas serão retomadas”, ponderou.




Moraes adiantou que a próxima reivindicação a ser feita à administração municipal e ao Coesp será a autorização para reabertura dos restaurantes localizados nos shopping centers. “Os restaurantes deveriam abrir porque estão fazendo um controle muito bem feito (das medidas sanitárias).”

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo