São Paulo, 5 (AE) - Uma queda de cerca de 20% nos preços do trigo argentino do final de 99 até agora pode beneficiar o consumidor brasileiro. Fontes da indústria de massas, que importam trigo argentino, afirmam que isso pode gerar uma diminuição de 4% a 8%, no máximo, no preço de massas e outros produtos que usam o grão como matéria-prima.
O preço da tonelada do trigo na Argentina caiu de US$ 120 00 em dezembro para US$ 95,00 agora em janeiro de 2000. Já neste início de ano, algumas companhias brasileiras e moinhos chegaram a importar trigo por US$ 94,50 a tonelada.
O governo argentino, preocupado com a redução dos preços nas exportações, por causa da boa safra, está pedindo mais tranquilidade aos exportadores na hora de vender e prometeu recursos para financiar as vendas numa tentativa de segurar um pouco mais o preço do produto. A Argentina tem uma produção de trigo estimada de 14,4 milhões de t e um consumo interno de 4 milhões de t.
O Brasil importa cerca de 5,5 milhões de t de trigo da Argentina e mais 1 milhão de t do Canadá e dos Estados Unidos. O País produziu 2,4 milhões de t de trigo na safra 98/99, para um consumo interno estimado de 8,5 milhões de t.
Tendência - A tendência de queda no preço do trigo argentino foi constatada a partir de outubro de 99. No fim do ano, a tonelada chegou a US$ 120, mas hoje está em US$ 95. Os compradores entendem que o piso para os preços do trigo argentino será próximo de US$ 90, não caindo abaixo deste limite.
Os produtores de massas no País já reduziram, ao final de 99, em cerca de 3% alguns preços de seus artigos. Há redução de preço, por exemplo, no caso do macarrão, porque o trigo é 50% do custo de produção.