Agência Estado,
do Rio
A polícia do Rio divulgou ontem que o tiro que matou a turista francesa Martine Halin, de 45 anos, assassinada há dois meses depois de desembarcar na cidade, foi disparado perto de sua cabeça. Pelo exame cadavérico, os legistas constataram que a arma estava de dois a três palmos de distância da cabeça de Martine. No local, foram detectados pequenos sinais de pólvora.
De acordo com informações do delegado Ricardo Cocedeira, que investiga o caso, o formato do buraco feito na cabeça de Martine demonstra que a arma não foi encostada em seu crânio, mas sim bem próximo a ele - o que foi constatado pelos laudos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli e do Instituto Médico Legal. Ainda esta semana, os policiais esperam receber da França um detalhado relatório sobre a vida de Martine e seu marido Yves, principal suspeito do crime. Oficialmente, no entanto, a polícia não sabe se ele teria motivos para matar a mulher.