São Paulo, 07 (AE) - A Polícia Militar remanejou nos últimos dias 188 oficiais - coronéis, tenentes-coronéis, majores, capitães e tenentes - em todo o Estado. Sete são oficiais do Corpo de Bombeiros que estariam favoráveis ao projeto do deputado Vaz de Lima (PSDB) para separar o setor da PM. A "mexida" atingiu ainda o Comando do Policiamento Feminino, que foi extinto. Os batalhões femininos estarão subordinados ao Comando de Policiamento da Capital (CPC).
Do Corpo de Bombeiros foram transferidos o ex-comandante coronel Luís Roberto Carchedi, para Bauru, o subcomandante, coronel Hippolito Pinto, para Ribeirão Preto, e o chefe do comando da capital, coronel Orlando Rodrigues Camargo, para Guarulhos.
Nos primeiros dias deste ano saíram o responsável pela Defesa Civil e Resgate, tenente-coronel Ubirajara Bueno Machado para Ribeirão Preto, o major Wilson Consansi Júnior, do 4.º Grupamento de Incêndio para o comando sul, o tenente-coronel Arlindo Faustino Júnior para a Diretoria de Ensino e o major Abel Batista Camilo Júnior para a Escola de Educação Física.
O major Renato Perrenaud, chefe do Setor de Comunicações do comando-geral da PM, afirmou hoje que o remanejamento ocorre em consequência das novas unidades criadas em todo o Estado para melhoria dos serviços. a capital, Grande São Paulo e no interior para a melhoria do serviço.
No Estado são 3 mil os oficiais da PM e, para Perrenaud, o número até agora remanejado, de 188, é pequeno. "As transferências estão sendo aplicadas para acomodar uma situação de mudanças no policiamento."
Os oficiais do Corpo de Bombeiros remanejados acreditam em "retaliação" por parte do comando geral porque a maioria é favorável à separação. "Em 17 estados o bombeiro não faz parte da Polícia Militar, afirmou Carchedi.O ex-comandante dos bombeiros foi transferido, depois de 24 anos trabalhando nos bombeiros, para um subcomando da PM em Bauru. Ele disse que não entende do policiamento no interior e sua presença vai atrapalhar.
Os coronéis transferidos, alguns para cidades distantes da capital como Ribeirão Preto e Bauru, reclamam também que estão sendo chefiados por oficiais mais novos na corporação, fato inédito.
O secretário da Segurança, Marco Vinício Petrelluzzi, é contrário à separação. Ele prometeu que os "insubordinados" serão punidos. O comandante geral da PM, Rui César Melo, ainda não se pronunciou.
Aposentadoria - O Diário Oficial do Estado deverá publicar amanhã (08) a decisão do Tribunal de Justiça que concedeu liminar a quatro coronéis para que voltem ao serviço ativo. Decreto de 1983 obrigou os quatro a passar para a reserva por terem permanecido 5 anos no posto de coronel.
Eles recorreram pois querem continuar trabalhando. A liminar foi concedida com base no estatuto do funcionário público estadual que obriga a aposentadoria aos 70 anos. Os oficiais do Corpo de Bombeiros acreditam em retaliação.