Petrobras instala incubadora de empresas em São Paulo11/Mar, 21:16 Por Denise Carvalho São Paulo, 11 (AE)- A Petrobras está instalando sua primeira incubadora de empresas em São Paulo. Quatro empresas operam na Polovale 3 em São José dos Campos (SP), desde o início do mês, como resultado de parceria entre o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP), a Petrobras e a Fundação Polovale. No Brasil, a estatal abriga 11 incubadoras, que reúnem 33 empresas. As incubadoras são espaços dotados de infra-estrutura nos quais empreendedores desenvolvem projetos num ambiente favorável aos negócios e a custos bem inferiores aos exigidos para pôr em funcionamento um empresa em situação convencional - 80% delas obtêm sucesso no mercado. Em São José dos Campos, o projeto prevê a participação de dez empresas dos setores de petróleo, química, petroquímica, fertilizantes, biotecnologia, instrumentação, automação industrial reunidas em área de 375 metros quadrados. A parceria destinou R$ 167 mil em dinheiro, equipamentos e material de trabalho ao projeto. As empresas incubadas vão contar com apoio gerencial e tecnológico do Sebrae-SP e pela Fundação Polovale e poderão aproveitar instalações, insumos, matérias-primas e oportunidades da Petrobras. Os empreendedores vão compartilhar instalações físicas, como móveis e laboratório, e terão à disposição um galpão industrial para desenvolver produtos e serviços, testar tecnologia, receber treinamento e consultoria gerencial e administrativa, além de apoio para comercializar os resultados do trabalho. Segundo o engenheiro da Petrobras responsável pelo empreendimento, Herval de Castro, as empresas poderão transformar-se em fornecedores da Petrobras. "As incubadas têm prazo de dois anos para tornarem-se empresas graduadas e, dependendo da vocação, há interesse da Petrobrás em realizar trabalhos conjuntos." Cada empresa ocupa 25 metros quadrados e tem 11 empregados diretos. Além de atender alguns critérios de seleção, as incubadas devem respeitar cláusulas do contrato. Os empreendedores custeiam as contas de água, luz, telefone e locação das salas. O metro quadrado de área locada custa R$ 6 por mês, o que significa desembolso de R$ 150/mês de aluguel para o empreendedor. Cada empresa cede à gestora Fundação Polovale 1% do faturamento bruto por ano que permanecerá na incubadora e mais 1% após deixar o local. Como a Polovale atua como facilitadora em negociações de empréstimo, por exemplo, cobra taxa administrativa de 10% sobre as operações. Cada empresa se responsabiliza por impostos (podem chegar a 12% do faturamento). Segundo o gerente do Programa Incubadora do Sebrae-SP, Edson Gonçalves Pereira, o objetivo é transformar as incubadoras em instituições auto-sustentáveis. Seriam necessárias de 30 a 40 empresas para recolher recursos capazes de sustentar 70% da incubadora. De acordo com Pereira, cerca de 80% das empresas incubadas sobrevivem no mercado. Com a Polovale 3, o número de incubadoras de empresas implantadas em São Paulo, com o apoio do Sebrae-SP, chega a 38. Ao todo, elas abrigam 348 empresas que empregam 1.700 trabalhadores diretos. Pereira alerta: as empresas devem deixar de lado a visão ilusória de mercado. "O subsídio dado nas incubadoras não significa que os produtos devem ser oferecidos a preços mais baixos", afirma. "O empresário deve pensar nas condições de sobrevivência dos produtos e da empresa no mercado competitivo depois que deixar a incubadora."