Uma pesquisa de opinião, divulgada nesta segunda-feira (27), revela que 81% da população paranaense apoia a expansão do programa de escolas cívico-militares, uma iniciativa promovida pelo governador Ratinho Junior. Apenas 17% dos entrevistados se posicionaram contra a proposta, enquanto uma pequena parcela não definiu ou não respondeu à questão.

O estudo foi realizado pelo instituto IRG Pesquisas a pedido da Associação dos Jornais e Portais do Paraná (ADI-PR). Ele também apontou que 63% dos paranaenses estão informados sobre o fato de que o Paraná se tornará o estado com a maior rede de escolas cívico-militares no Brasil. Uma parte significativa dos entrevistados, entretanto, desconhece essa informação ou não conseguiu responder.

As entrevistas para a pesquisa foram conduzidas entre os dias 23 e 26 de novembro. Este levantamento ocorre em um momento importante para a área, considerando que a Secretaria de Estado da Educação do Paraná lançou recentemente um edital de consulta pública para decidir sobre a adesão de novas escolas estaduais a este modelo em 2024. Estão em foco 127 escolas, das quais 27 estão localizadas em Curitiba e as demais espalhadas pelo interior, abrangendo cerca de 80 mil alunos.

Atualmente, o Programa Colégio Cívico-Militar do Paraná conta com 194 colégios. Além destes, o estado planeja incorporar 12 escolas do modelo nacional de escolas cívico-militares, cujo programa será descontinuado pelo governo federal. Este número representa aproximadamente 121 mil alunos matriculados sob este modelo.

Caso a adesão seja completa, o Paraná passará a ter mais de 300 unidades de ensino cívico-militares, atendendo cerca de 200 mil estudantes.

A consulta pública, que será realizada nas escolas listadas, acontecerá nesta semana, nos dias 28 e 29 de novembro. Participarão da votação professores, funcionários, pais de alunos matriculados nas respectivas instituições e estudantes maiores de 16 anos, que deverão apresentar documento pessoal com foto para votar. Os resultados devem ser anunciados no dia 5 de dezembro.(Redação/ADI-PR)