Goiânia, 26 (AE) - O governador de Goiás, Marconi Perillo, vai propor amanhã ao governador de São Paulo, Mário Covas, que a atual guerra fiscal entre os dois Estados seja transformada em parceria. A intenção do governador goiano e mostrar que seu Estado pode se desenvolver com o fornecimento de matéria-prima para indústrias paulistas.
Marconi chegou hoje à capital paulista para dizer a Covas que Goiás não quer tirar nenhuma empresa de São Paulo, mas
em caso de planos de expansão, o governador defende que seja a feita a opção pelo território goiano, como fizeram recentemente Vigor, Perdigão e Gessy Lever, entre outros.
No encontro, marcado para as 15 horas no Palácio dos Bandeirantes, Perillo vai buscar sobretudo o entendimento com seu colega de partido.
Para o secretário da Fazenda de Goiás, Jalles Fontoura, não há motivos para São Paulo reclamar dos goianos, já que a balança comercial entre os dois Estados é amplamente favorável aos paulistas. "Os Estados mais fortes economicamente oferecem menores custos de produção, de transporte, e mercado consumidor garantido à sua produção", analisa Fontoura. "Para competir com eles, temos de estabelecer nossas próprias armas, pois há pressão social para a promoção do desenvolvimento."
Perillo acredita que a reforma tributária, em estudo no Congresso Nacional, deve acabar com a guerra fiscal, definindo nova regra para o ICMS. A previsão é de que a cobrança do imposto passe a ser feita no destino da mercadoria, não na origem, como é feita atualmente.
Fiesp - Depois da reunião com Covas, o governador goiano tem encontro com mais de 100 industriais na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). Ele vai tentar seduzir os empresários mostrando os benefícios oferecidos pelo governo goiano às empresas que se instalam no Estado. A comitiva de Perillo inclui os secretários estaduais da Fazenda, Jalles Fontoura; do Planejamento e Desenvolvimento, Giuseppe Vecci; da Indústria e Comércio, Willmar Guimarães, e o chefe do Gabinete Civil, Floriano Gomes, além de outros auxiliares.
Na semana passada, Perillo disse que, mesmo com as ameaças de retaliação de outros Estados, o governo goiano não vai abandonar sua política de atrair novas indústrias para Goiás.
Ele enfatizou que o Estado tem outras vantagens a oferecer aos empresários interessados em se instalar em território goiano. "Temos uma localização privilegiada, boas terras, ótimo clima, enfim todas as condições de atrair investimentos sem insistir na guerra fiscal", afirmou Perillo. "Essa situação não interessa a ninguém porque representará perdas para todos os Estados envolvidos."