BRUEHL, Alemanha, - Pelo menos 9 pessoas morreram e 100 ficaram feridas no descarrilamento de um trem na madrugada de HOJE (06), numa das mais movimentadas ferrovias da Europa, na estação da cidade alemã de Bruehl, cerca de 15 quilômetros ao sul de Colônia.
O trem ia de Amsterdã, na Holanda, para Basiléia, na Suíça, com cerca de 300 passageiros - muitos deles esquiadores em férias. O acidente ocorreu na saída da estação de Bruehl quando o trem voltava à linha principal, depois de ter pego um desvio antes da estação por causa de obras na pista e onde a velocidade máxima permitida era de 40 quilômetros por hora. Segundo um funcionário da ferrovia, o trem ia a 120 quilômetros nesse trecho.
Sem especular a velocidade real do trem, o investigador de polícia Winrich Granitzka confirmou que o acidente pode ter sido causado por excesso de velocidade. "Pelas primeiras evidência, parece improvável que o motorista estivesse observando a velocidade máxima permitida no local."
A locomotiva e cinco vagões saíram dos trilhos e dois deles caíram num declive parando na sala de estar de uma residência das imediações - os moradores, um casal de idosos, milagrosamente nada sofreram.
Dezesseis horas após o acidente, que ocorreu pouco depois da meia- noite local (21 horas de sábado, em Brasília), equipes de resgate, usando sofisticados equipamentos e cães farejadores, ainda trabalhavam no local em busca de sobreviventes.
Entre os feridos, 42 tinham ferimentos graves - pelo menos 10 estavam em estado crítico - e outros 44 sofreram apenas escoriações leves. Alguns dos sobreviventes só puderam ser resgatados das ferragens com a amputação de um de seus membros (perna ou braço). Vinte e dois passageiros foram dados como desaparecidos: 16 alemães, 4 americanos e 2 holandeses. Muitos dos ocupantes do trem eram alpinistas em férias a caminho dos Alpes. O motorista do trem, um alemão de 28 anos, estava hospitalizado em estado de choque.
Um repórter de rádio alemão, que estava no trem, disse que pouco antes do acidente o motorista diminuiu a velocidade voltando a aumentá-la antes da colisão. Ele e sua mulher foram lançados fora de seu compartimento e depois houve "um silêncio mortal".
Segundo investigadores, o número de mortos pode ainda aumentar.
Um bar na plataforma 4 da estação foi improvisado como sala de emergência e recebeu os primeiros sobreviventes trazidos pelas equipes de resgate.
Tendas hospitalares foram instaladas no local para atender os feridos leves. Um grupo com cerca de 50 pessoas foi encontrado perambulando na escuridão e levado para uma academia de polícia das redondezas.
O acidente ocorre um ano e meio depois da tragédia de Eschede, em junho de 1998, que traumatizou a Alemanha com seus 101 mortos e 88 feridos, e deve reativar o debate sobre a segurança ferroviária na Europa, cada vez mais questionada por causa dos frequentes acidentes de gravidade considerável.
No mês passado, 19 pessoas morreram na colisão frontal de dois trens no sul da Noruega e, em outubro, outra colisão entre trens, desta vez na estação britânica de Paddington, deixou um balanço de 31 mortos.