NetdealEvents

Passar a boiada quer dizer atualizar normas de todos os ministérios, diz Salles


GUSTAVO URIBE
GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) disse neste sábado (23) que foi mal interpretado e se referia à atualização de normas de toda a Esplanada quando usou a expressão "ir passando a boiada".

À reportagem ele negou que a frase fazia referência a eventual flexibilização de normas ambientais para avanço do agronegócio. Segundo Salles, as declarações na reunião ministerial foram tiradas de contexto.



"[Ir passando a boiada é] No sentido de que tem muitas normas em todos aqueles ministérios. Eu falei isso: todos os ministérios. Não estava falando só do meu", disse.

"Talvez a expressão 'passando a boiada', claro que tirada de contexto, pode dar uma impressão de uma coisa, mas o que queria dizer é que tem muita coisa para fazer."

Na sexta-feira (22), o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello autorizou a divulgação da maior parte do conteúdo de vídeo gravado pelo Palácio do Planalto no dia 22 de abril.

A gravação consta de inquérito que apura suposta interferência de Bolsonaro na Polícia Federal. A acusação foi feita pelo ex-ministro Sergio Moro (Justiça), segundo o qual o vídeo do encontro comprovaria a acusação de que o presidente queria proteger a sua família.

Na reunião, Salles defendeu que se aproveitasse da pandemia do coronavírus para aprovar reformas infralegais, inclusive em sua pasta.

Ele ressaltou que é hora da edição de medidas de desregulamentação e simplificação, uma vez que a imprensa está, neste momento, concentrada no combate à Covid-19.

"Precisa ter um esforço nosso aqui enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de Covid, e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas", afirmou na reunião.

Neste sábado, Salles disse que o comentário era destinado a todos os ministros presentes no sentido de diminuir normas que criam "burocracia", "retrabalho" e "ineficiência".

Segundo ele, este é o momento de revisão. "Muitos ministérios, incluindo o meu, estão em trabalho remoto. E a pessoa têm tempo para fazer isso. Foi isso o que eu quis dizer", afirmou.

O ministro disse ainda que usou o termo tranquilidade para fazer as mudanças enquanto a imprensa se dedica à cobertura da pandemia no sentido de evitar "polêmica gigantesca".

"De fato, tudo o que se faz neste governo em termos de mudança de regras regulatórias é motivo de altíssimo debate, politização e polêmica", afirmou.

De acordo com Salles, a imprensa deve tratar dos temas ambientais, mas pediu "uma discussão mais técnica e mais sóbria". "E não é muitas vezes o que a gente vê."

Tanto "ir passando a boiada" como "dar de baciada", segundo o ministro, são expressões para acelerar a atualização das normas.

"[Dar de baciada] É o sinônimo de passar boiada. Baciada significa fazer bastante. Fazer um monte de mudanças que são necessárias", disse.

O ministrou afirmou que em pouco mais de dois anos de governo Bolsonaro há ainda uma "lista interminável" de ajustes a serem feitos.

"Quando você fala em 'dar de baciada" é que tem de fazer logo. Fazer de uma vez."

Questionado sobre a atualização de regras ao largo do Congresso, o ministro destacou que tratou de normas infralegais porque deputados e senadores não fecham consenso em questões legislativas.

Ele negou que essas mudanças abram margem para abusos pelo Poder Executivo e minimizou críticas de entidades ambientais às suas declarações durante a reunião.

"Tudo o que a gente faz eles criticam. Então, não tem nada do que eu faça ou do que eu diga que eles não critiquem. Então, vejo com naturalidade. É o papel deles", afirmou.

Para o ministro do Meio Ambiente, o vídeo da reunião não devia ter sido divulgado, por se tratar de uma reunião que trata de temas de governo.

"Ao fazê-lo, você distorce muitas coisas que eram para ser faladas em privado, ali entre os ministros. Mas o principal ponto para mim, o resultado da divulgação da reunião, foi a comprovação de que não havia os crimes e as condutas indevidas que foram imputadas ao presidente", disse.

Sobre a repercussão do vídeo, Salles afirmou que o Brasil é um país democrático e as pessoas podem se manifestar.

"O que me parece em certa medida ruim é que algumas coberturas de imprensa cortaram, editaram e manipularam o que eu falei", disse.



"Quando você torna uma reunião pública, sem a devida contextualização, as interpretações nem sempre refletem o objetivo daquela conversa", emendou.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:


Continue lendo


Últimas notícias