|
  • Bitcoin 125.563
  • Dólar 5,1484
  • Euro 5,3178
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 10/03/2022, 14:43

Paranaense preso na Tailândia recebe visita de chefe do setor consular

Jordi Beffa relatou que está sendo tratado adequadamente no presídio

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 10 de março de 2022

Vítor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Após permanecer em quarentena sob suspeita de ter contraído Covid-19, o apucaranense Jordi Vilsinski Beffa, preso na Tailândia por tráfico de drogas, finalmente recebeu a visita do chefe do setor consular. O contato foi realizado no dia 8 deste mês, mas só foi divulgado pelo advogado da família no Brasil, Petrônio Cardoso, na manhã de quinta-feira (10). Vale lembrar que o fuso horário da Tailândia está 10 horas adiantado em relação ao fuso horário de Brasília. 

O apucaranense Jordi Vilsinski Beffa pediu, muito emocionado, que fossem transmitidos pedidos de desculpas e arrependimento pelo que fez a seus pais. O apucaranense Jordi Vilsinski Beffa pediu, muito emocionado, que fossem transmitidos pedidos de desculpas e arrependimento pelo que fez a seus pais.
O apucaranense Jordi Vilsinski Beffa pediu, muito emocionado, que fossem transmitidos pedidos de desculpas e arrependimento pelo que fez a seus pais. |  Foto: Reprodução/Arquivo pessoal/Facebook
 

O representante consular foi ao presídio onde está detido o Jordi Beffa e teve oportunidade de conversar com ele por cerca de 10 minutos e, após esse diálogo, esclareceu que Beffa não estava com covid-19, contudo, os outros dois brasileiros detidos contraíram a doença. Beffa relatou que está sendo tratado adequadamente no presídio e que tem se comunicado razoavelmente com os guardas, em inglês.  O apucaranense fez perguntas sobre o tempo de pena que poderá pegar e como seriam as condições carcerárias de presos já condenados. Ele ficou aliviado ao saber que já conta com advogado constituído por seus pais.

Segundo o relato do chefe consular, Beffa pediu, muito emocionado, que fossem transmitidos pedidos de desculpas e arrependimento pelo que fez a seus pais. Ele foi informado que, futuramente, poderá conversar com seus familiares por video chamada, o que também lhe trouxe algum conforto. A direção do presídio indicou que ainda não pode determinar datas para as primeiras audiências e para liberação dos detidos para comunicação com advogados, mas que informaria a embaixada tão pronto houvesse definição pela corte de justiça.

Beffa foi preso no dia 14 de fevereiro por tentar ingressar na Tailândia com 6,5 kg de cocaína. Ele foi detido no Aeroporto de Bangkok, após a droga ter sido encontrada em sua mala. Outros dois brasileiros foram detidos no mesmo dia e, a exemplo dele, ambos saíram do Aeroporto Afonso Pena, de São José dos Pinhais (Região Metropolitana de Curitiba). A defesa de Beffa alega que ele não possui relação com os outros detidos.

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.