|
  • Bitcoin 149.495
  • Dólar 4,9314
  • Euro 5,2126
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 30/03/2022, 22:38

Paraná lança programa para acelerar as cirurgias eletivas

Objetivo é reduzir fila de espera pelos procedimentos, que se acumularam nesses dois anos de pandemia

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 30 de março de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

Foto: Albari Rosa/Sesa/AEN
menu flutuante

Com uma injeção de R$ 150 milhões do tesouro do Estado nos cofres da Secretaria de Estado da Saúde, o governo do Paraná pretende aumentar o número de cirurgias eletivas em 2022. O anúncio foi feito pelo secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, ao lançar o projeto  "Opera Paraná” durante o 14º Seminário da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa), em Curitiba. O aporte deve proporcionar cerca de 60 mil cirurgias a mais este ano.

A destinação do recurso foi formalizada por meio da Resolução Sesa 1.104/2021  e deve abranger os mais diversos serviços de Saúde do Estado, desde que se enquadrem nas normativas da Resolução Resolução Sesa 1.127/20021. As informações são da Agência Estadual de Notícias. 

“O maior volume de recursos para cirurgias eletivas no Paraná havia sido R$ 19 milhões por meio do governo federal, e este ano, com a pandemia e todo o esforço coordenado pelo governador Ratinho Junior, fizemos um exercício orçamentário e conseguimos colocar R$ 150 milhões”, afirmou Beto Preto.

A implantação do programa tem por objetivo diminuir as filas de espera e parte da demanda reprimida, que teve um acréscimo considerável com a pandemia, que paralisou os procedimentos não emergenciais por meses. Além disso, o Opera Paraná reforça a regionalização da Saúde, expandindo a oferta dos serviços e dando oportunidade de todos os hospitais, de pequeno a grande porte, a participarem desta ação, informa a AEN.  O Estado fará o edital e os hospitais que conseguirem realizar as operações vão efetivar a adesão.

Atualmente, estima-se que pelo menos 200 mil procedimentos eletivos e 300 mil consultas médicas especializadas, caracterizados como prioritários, precisem ser realizados no Paraná. A fila destes procedimentos está sendo compilada em um programa de gestão que integre os sistemas do Estado, município e consórcios. Este ano, o Estado deve realizar aproximadamente 250 mil cirurgias dentro do cronograma padrão e 60 mil dentro da programação extra.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.