São Paulo, 25 (AE) - Vereadores da oposição esperam que a decisão da Justiça de afastar o prefeito Celso Pitta (PTN) acelere seu processo de impeachment na Câmara Municipal. Na visão dos oposicionistas, o afastamento deve apressar o processo político no legislativo. "Os governistas não vão querer defender um prefeito afastado pela Justiça", acredita a vereadora Aldaíza Sposati (PT). "O afastamento de Pitta deve dar fôlego às investigações que já acontecem na Câmara, inclusive contra Maria Helena", disse, referindo-se à comissão processante que julga a vereadora Maria Helena (PL).
Os governistas admitem que a situação do prefeito se complicou, mas, oficialmente, todos esperam uma definição jurídica sobre a situação no Palácio das Indústrias, antes de tomar alguma posição. Algumas bancadas estiveram reunidas no fim de semana avaliando a situação.
"Estamos na expectativa, pois a siuação é mais delicada", disse o líder do PPB, Cosme Lopes. O partido é a principal base de sustentação do prefeito Câmara. "Ninguém vai tomar uma atitude antes da questão jurídica ser resolvida." Um governista que pediu para não ser identificado lembrou que a decisão dos parlamentares levará em consideração a aproximação do pleito eleitoral. "Ninguém vai querer segurar o rojão do desgaste ao defender o prefeito", admitiu o parlamentar.
Mesmo assim, os aliados de Pitta devem agir para defender o prefeito e afastar a Câmara do centro das atenções. Uma das alternativas é impedir a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito contra Pitta. O argumento é que a CPI seria desnecessária, pois a Justiça está tomando as providências necessárias em relação ao Executivo.