Itu, SP, 29 (AE) - O monsenhor Antônio Benedito Spoladori, pároco da matriz de Itu, a 98 quilômetros de São Paulo, acusado de corrupção de menores, afirma ser vítima de extorsão. A queixa-crime foi registrada no último dia 18, no 23º Distrito Policial de Perdizes, na capital paulista, pelos pais de dois garotos de 17 anos que teriam mantido relações com o sacerdote em uma casa de praia, em Itanhaém, litoral sul do Estado. O ato foi registrado em vídeo pelo motorista do padre, Flávio Campos Verde, que os acompanhava. A fita foi entregue à TV Record, pertencente ao bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus.
Segundo a denúncia, apresentada pelo pai de um dos menores, F.O.P., de Salto, o padre os levava para sua casa de praia, em Itanhaém, e os coagia a manter relações, sob pena de deixá-los a pé, sem dinheiro para voltar para casa. O monsenhor, que responde por outras nove igrejas e capelas de Itu, afirma que está sendo vítima de extorsão. Ontem, ele procurou a Delegacia de Polícia do Município para denunciar o motorista por ter pedido R$ 150 mil para não divulgar a fita.
O padre contou ao delegado Moacir Rodrigues de Mendonça que havia programado uma viagem de descanso a Itanhaém, mas o motorista ofereceu carona a outros dois rapazes. Na casa, Verde e os dois amigos trouxeram algo para beber e, após ingerir a bebida, o padre ficou zonzo, não se lembrando do que ocorreu. Dias depois, passou a ser chantageado. Caso não pagasse, a fita seria entregue à emissora do bispo Edir Macedo. O delegado pretende ouvir os acusados e, se houver indício de crime, abrirá inquérito. Verde mora em Salto e não foi encontrado hoje.
O monsenhor Spoladori deixou a cidade ontem. Segundo a secretária da paróquia, Erminda Cunha Massela, ele não disse para onde iria, nem deixou telefone para contato. Os ofícios religiosos estão sendo realizados por diáconos. O bispo de Jundiaí, dom Amaury Castanho, distribuiu um comunicado recomendando orações do clero e fiéis ao padre e outras pessoas envolvidas no fato.
"Estou não só ciente do problema de ordem comportamental do monsenhor Antônio Benedito Spoladori mas, também, tomando as providências cabíveis e necessárias com o meu Conselho de Presbíteros", diz a nota. No texto, o bispo repudia
de forma indireta, a exploração do episódio pela emissora do bispo. "Mesmo que alguns de seus sacerdotes seja infiel aos compromissos assumidos na própria ordenação, continua a Igreja Católica sendo a que possui maior credibilidade no Brasil, como demonstram pesquisa feitas com rigor científico".
O padre envolvido na denúncia é o mesmo que, há alguns anos, criou grande expectativa em torno de uma imagem de Nossa Senhora da Rosa Mística, no município de Louveira, de cujos olhos vertiam lágrimas. O fenônomo atraiu multidões à paróquia, até que peritos da Universidade de Campinas (Unicamp) comprovaram que as lágrimas não eram reais.