Nova York, 28 (AE-ANSA) - O título da revista norte-americana Variety em sua edição especial do Oscar é, no mínimo, irônico: "Prêmio consolo". Em um quadro, a publicação explica que nos últimos anos as arrecadações mais altas foram conseguidas por aqueles filmes que não foram premiados pela Academia de Hollywood.
"O que importa se o seu filme não ganhou o Oscar?", escreve a Variety, mostrando um gráfico demonstrativo de que em muitos casos os perdedores obtiveram melhores bilheterias que os ganhadores.
No ano passado, por exemplo, o filme ganhador foi "Shakespeare Apaixonado" e, entretanto, "O Resgate do Soldado Ryan" arrecadou muito mais (cerca de US$ 400 milhões, contra US$ 200 milhões do vencedor).
Caso similar ocorreu em 1995: "Apolo 13" arrecadou cerca de US$ 300 milhões, enquanto que "Coração Valente", vencedor do Oscar, teve uma bilheteria de apenas US$ 150 milhões.
Em 1997, o ignorado "Atração Fatal", com o par Michael Douglas-Glenn Close, levantou mais de US$ 300 milhões, enquanto que "O Último Imperador", filme de Betolucci (nove Oscars) arrecadou apenas US$ 80 milhões.