Lima, 4 (AE-AP) - Uma parlamentar defensora do presidente Alberto Fujimori, deixou em aberta a possibilidade de que um novo "cenário jurídico" no ano 2005, permitiria ao presidente candidatar-se a uma nova reeleição.
A governamentista Martha Chávez disse que não existe nenhuma decisão de caráter político ou jurídico a respeito, "eu não posso fechar uma possibilidade".
Representantes da oposição e analistas têm destacado que Fujimori pretende prolongar indefinidamente sua permanência no poder.
Nesse sentido, o sociólogo Julio Cotler advertiu que Fujimori, que governa desde 1990, pretenderia governar até o ano de 2020, e que podería ganhar as eleições de abril próximo com 60% ou 65% dos votos, "ganhos com boas ou más armas".
Em 27 de dezembro último, Fujimori anunciou que concorrerá nas eleições presidenciais, mas está impedido pela Constituição por já ter governado por dois mandatos consecutivos.
Sua decisão tem gerado uma série de protestos da oposição, que prometeu mobilização, esta semana, contra a questionada candidatura.
Seus críticos assinalam que o mesmo ocorreu em 1995, quando não podería tentar um novo mandato em 2000, porque a Constituição proibia.
Mas, Chávez explicou que em 1995 existia outro cenário político, que mudou em 1996, quando o Congresso, de maioria governamentista, aprovou uma lei, que determinou que o primeiro mandato de Fujimori é o que iniciou em 1995, e não em 1990, anterior a criação da Carta Magna.