Ayrton Centeno
Agência estado
De Porto Alegre
Vinte e cinco municípios do Rio Grande do Sul estão em situação de emergência devido à estiagem, que afeta basicamente a agricultura. A região mais castigada é a das Missões, onde as poucas chuvas da virada do ano foram insuficientes para resolver o problema. ‘‘Não existe falta d’água para abastecimento das populações’’, afirmou, ontem, o capitão Vinícius Correa, da Coordenadoria da Defesa Civil do Estado. Correa disse que o programa estadual de perfuração de poços artesianos – foram 144 abertos ao longo do ano e nas áreas mais sujeitas à estiagem – colaborou para garantir o abastecimento.
Desde a semana anterior, duas equipes da Defesa Civil estão percorrendo o noroeste e o oeste do Estado, onde o quadro é mais crítico, para fazer um levantamento das dificuldades. Já decretaram situação de emergência São Luiz Gonzaga, Giruá, Vitória das Missões, Fortaleza dos Valos, Jóia, Júlio de Castilhos, Salvador das Missões, Bossoroca, Cerro Largo, Caibaté, Coronel Barros, Entre-Ijuís, Eugênio de Castro, Garruchos, Ivorá, Guarani das Missões, Pirapó, Quevedos, Porto Xavier, Roque Gonzales, Santo Antonio das Missões, São Miguel das Missões, Tupanciretã, São Paulo das Missões e Sete de Setembro.
Mais prejudicados, os municípios das Missões e da chamada Grande Santa Rosa – área em torno da cidade de Santa Rosa, noroeste gaúcho – próximos à fronteira com a Argentina, já perderam mais de metade da sua safra de milho. ‘‘Calculamos que, na Grande Santa Rosa, a perda atinja de 50% a 60% e, nas Missões, de 60% a 70% da lavoura’’, observou ontem o agrônomo Aldo Schmidt, do escritório regional da Emater/RS, que monitora o desenvolvimento do cultivo em 79 municípios da região.
Quanto à soja, outra cultura forte das Missões e da Grande Santa Rosa, a situação também não é boa, embora menos grave. A época de plantio terminou em dezembro e o desenvolvimento da planta, por enquanto, é ruim. ‘‘Mas, se chover, ela poderá se recuperar’’, comentou o agrônomo.
‘‘A última precipitação forte aconteceu no dia 12 de novembro. De lá para cá, houve chuva fraca e insolação forte’’, descreveu Schmidt. O último boletim da Emater/RS, de 30 de dezembro, indica que no noroeste as precipitações oscilaram entre 5 e 15 milímetros durante o mês. As chuvas também foram insuficientes nas demais regiões do Estado.