|
  • Bitcoin 148.328
  • Dólar 4,9391
  • Euro 5,1989
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 14/04/2022, 17:02

Náufragos são resgatados após lançar bilhete em garrafa no mar do Pará

Grupo relatou ter se alimentado com comida que estava na embarcação e água da chuva

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 14 de abril de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Rio de Janeiro - Seis tripulantes foram resgatados pela Marinha nesta quarta-feira (13) após 17 dias isolados numa ilha no Pará. Eles foram localizados após um pescador encontrar um bilhete lançado pelos desaparecidos no mar dentro de uma garrafa. 

 A embarcação Bom Jesus, onde o grupo estava, pegou fogo e naufragou no dia 27 de março próximo à ilha das Flechas, perto da foz do rio Amazonas, a cerca de 150 quilômetros de Belém. 

 Eles se abrigaram na praia da ilha e esperaram por socorro até o dia 9, quando decidiram escrever um bilhete e lançá-lo ao mar dentro de uma garrafa amarrada a uma boia. 

 "Socorro! Socorro! Precisamos de ajuda. Nosso barco pegou fogo. Estamos há 13 dias na ilha das Flexas [sic], sem comida. Avise nossa família", dizia o bilhete, acompanhado de números de telefone de familiares dos náufragos. 

 Quatro dias depois, pescadores encontraram o bilhete e alertaram a Marinha, que enviou um helicóptero para a ilha, onde o grupo foi localizado. De acordo com os militares, os seis homens apresentam bom estado de saúde. Eles relataram ter se alimentado com comida que estava na embarcação e água da chuva. 

 O grupo saiu de Santarém (PA) no dia 24 de março em direção a Chaves (PA), município na foz do rio Amazonas. A viagem duraria cerca de dez dias, mas a cozinha da embarcação pegou fogo no dia 27. Eles conseguiram então levar o barco até a ilha, onde ele afundou. 

 Os familiares já haviam registrado o desaparecimento do grupo após dias sem contato. 

 "Estou desempregado. Saí de Santarém para fazer essa viagem. Durante a viagem pegamos um temporal e a embarcação pegou fogo na parte da cozinha. E nós começamos a jogar a embarcação para ver se encontramos uma praia, onde ficamos 17 dias. Com a força de Deus e com a Marinha do Brasil conseguimos sair através de uma boia, quando escrevemos um bilhete e fomos achados. Amém", afirmou Jeferson Marcos dos Santos ao site oficial da Marinha. 

 A Marinha abriu uma investigação sobre as causas e responsabilidades pelo acidente com a embarcação. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.