SÃO PAULO, SP - O Ministério da Saúde ampliou a vacinação com a dose de reforço bivalente contra a Covid-19 para toda a população acima de 18 anos. O anúncio foi feito na tarde de segunda-feira (24).

De acordo com a pasta, cerca de 97 milhões de brasileiros podem procurar as unidades de saúde. Cada estado deve definir como será o esquema de vacinação.

Deve tomar a imunização quem já recebeu, pelo menos, duas doses de vacinas monovalentes (Coronavac, Astrazeneca ou Pfizer), respeitando um intervalo de quatro meses da última dose.

"Precisamos retomar a confiança da população nas vacinas", afirmou a ministra da Saúde, Nísia Trindade.

Para tentar incentivar as pessoas a tomarem a vacina, no início do mês, o ministério já havia liberado a aplicação da bivalente para quem tinha a partir de 12 anos com comorbidades, e retirou a exigência de comprovação médica - bastava a autodeclaração.

A vacina, que contém uma mistura da cepa original do vírus de Wuhan, na China, e as variantes da ômicron BA.4 e BA.5, oferece maior proteção contra a ômicron e as linhagens em circulação do vírus da Covid.

Em estudos clínicos em todo o mundo, a vacina se mostrou segura e eficaz.

A FDA (agência que regula medicamentos nos EUA) publicou na última terça-feira (18) uma recomendação de novo reforço da vacina bivalente em indivíduos com 65 anos ou mais que receberam o primeiro reforço (bivalente) há pelo menos quatro meses.

De acordo com o órgão, os grupos de indivíduos com mais de 65 anos ainda representam uma parcela mais vulnerável para adoecimento grave, hospitalização e óbito, por isso estão aptos a uma nova dose da vacina que protege contra a ômicron e suas variantes.